Ela é psicóloga, seu pai é fisioterapeuta, seu irmão é engenheiro eletrônico. Tornaram-se sócios, junto com um amigo cientista da computação, para desenvolverem uma inovação brasileira inspirada em um similar norte-americano que eles vinham utilizando em alguns pacientes. Contrataram designers de games, testaram um piloto e hoje despacham, de dentro de uma incubadora, seu produto premium CardioEmotion para diferente tipos de clientes.

O Brasil é o 2º país do mundo em níveis de estresse elevados – uma das nações com mais problemas de saúde motivados por esse estado exarcebado de tensão e nervosismo – e o produto interativo lúdico (que considero uma “gamificação dos diagnósticos e tratamentos”) criado na incubadora, com componentes de software e periféricos, ajuda qualquer pessoa a reduzir o estresse de forma gradativa.

Assista a uma entrevista em vídeo com Priscila Coghi, gravada na sala que a Neuropsicotronics ocupa no Cietec, com a participação de Franco Lazzuri (gestor para as startups de TICs da incubadora).