Este artigo fala sobre o aplicativo Pé2, lançado pelo Marco Vanossi, e usa a imaginação para questionar se esse pode ser um passo em direção ao conceito de sociedade aumentada.

Aponte o celular para um objeto e encontre informações sobre o mesmo no seu celular. Esse é o objetivo da tecnologia de reconhecimento visual da Pé2. “A Pé2 desenvolveu um algoritmo capaz de reconhecer um objeto entre milhões de imagens em frações de segundo. Nossa tecnologia permite identificar objetos em fotografias, por exemplo, tiradas com a câmera do celular”, explica Vanossi no site do aplicativo.

disponí­vel na iTunes Store, o aplicativo ainda consegue reconhecer apenas capas de filmes, mas, como o próprio Vanossi provoca no site, há perspectivas de se desenvolver outras formas de aplicar a tecnologia de reconhecimento.

Vejam abaixo nos slides de Jamais Cascio, do instituto Open The Future, como ele imagina que aumentar as funcionalidades é aumentar o potencial. Como cidades também são como próteses (augmentation, enhancement)? Como dotar a sociedade de dispositivos de realidade aumentada pode inserir-nos em uma sociedade aumentada com muito mais caminhos de inteligência coletiva?

Quantas coisas poderemos fazer melhor – ou a mais – quando a tecnologia puder se desenvolver e puder ser aplicada em tantas coisas da vida cotidiana? E quantos questionamentos isso vai deslocar?
O que você pensa sobre isso? Como esse tipo de tecnologia pode ser desenvolvida, absorvida, aplicada, consumida?