Grande número de startups que nos procuram consideram que estão em fase de consolidação, aprontando produto e modelo de negócio. Outras dizem que estão em fase de descoberta, iniciando mesmo. Outras dizem que estão “escalando” e em fase de crescimento.

O que isso significa? Confira uma entrevista exclusiva em vídeo em que o criador do Startup Genome explica a questão e faz parceria com nosso site para oferecer consultoria e benchmarking (internacionais) às startups.

Para Ron Berman (@marketsensei), israelense estudante de PhD no Vale do Silício e criador da única pesquisa (agora transformada em software de benchmarking) que desvenda as dinâmicas das startups. A partir do estudo de mais de 3 mil startups mundo afora, em parceria com uma série de incubadoras e aceleradoras, eles identificaram 4 perfis básicos de startups:

  • automatora: focada no consumidor, centrada em produto, auto-serviço, de execução rápida, geralmente automatizam um processo manual – Google, Dropbox;
  • transformadora social: massa crítica, crescimento espetacular de usuários, mercado do tipo “o-vencedor-fica-com-tudo”, usabilidade complexa, efeito de rede, tipicamente cria novas maneiras de as pessoas interagirem – eBay, Skype;
  • integradora: geração de leads, alta certeza, centrada em produto, monetização cedo, foco em PME, mercados menores, geralmente pega pequenas inovações da web e adapta para pequenas organizações – Zendesk, GetSatisfaction;
  • desafiante: vendas corporativas, alta dependência de consumidores, mercados complexos e rígidos, processos de venda repetitivos – Oracle, Atlassian.

De acordo com o estudo, as fases percorridas por uma startup são:

  • descoberta;
  • validação;
  • eficiência;
  • escala;
  • sustentação;
  • conservação.

Quando uma startup preenche o questionário do Startup Genome Compass, vai recebendo as próximas perguntas de acordo com as respostas anteriores, refinando dentro da sua área de atuação. A equipe identificou, categorizou e parametrizou 5 dimensões (ou áreas) de uma startup (mercado, produto, finança, modelo de negócio, equipe) e indica quando há um desbalanço entre elas. Quando um aspecto é desenvolvido mais que os outros, ou menos, acontece o que eles chamam de “escala prematura” -apontada como motivo de dificuldades ou falha (fail) em 74% das startups (leia as 12 lições sobre escala prematura e os padrões de sucesso e insucesso).

Ao responderem o questionário, os interessados descobrem o seu tipo de startup, a fase em que ela se encontra, o balanço entre as áreas, recebe dicas e ainda pode comparar com outras startups do mesmo tipo.

Outras matérias que já publicamos sobre o assunto: sobre Startup Genome (primeiros resultados do estudo)sobre Startup Compass (fase em que o estudo virou software “ato-atendimento”)

Então, fica o chamado: faça o auto-exame da sua startup (neste link)!