O SoftBank Group Corp. anunciou que Alex Clavel, atualmente Sócio-Gerente no SoftBank Group International (SBGI), foi designado Diretor Executivo do SBGI, a partir de 30 de junho de 2022. Ele substituirá Michel Combes, que deixou o cargo cinco meses depois. Junto com os SoftBank Vision Funds, o SBGI é responsável por todas as atividades do SoftBank Group Corp. fora do Japão, incluindo Europa, EUA, Ásia e América Latina.

Combes, que encerrará uma carreira de cinco anos no SoftBank, é mais uma saída importante que ocorreu nos últimos meses. O diretor de operações Marcelo Claure deixou a empresa após confrontos sobre compensação e responsabilidades com o fundador Masayoshi Son, segundo a Bloomberg. Dois dos três sócios-gerentes do Latin America Fund deixaram a empresa para iniciar seus próprios negócios de risco em abril. No mesmo mês, Ronald Fischer deixou o cargo de líder do braço americano do Vision Fund.

As saídas ocorrem durante um período difícil para a empresa de investimentos e para o mercado de venture capital. Segundo a Bloomberg, em maio Masayoshi Son reportou uma perda anual recorde na Vision Fund. A empresa encerrou em 31 de março com uma perda de 2,64 trilhões de ienes (US$ 20,5 bilhões), em comparação com um lucro de 4,03 trilhões de ienes no ano anterior.

O maior fundo de tecnologia do mundo vem enfrentando dificuldades contábeis após a pandemia e o cenário atual das demissões em empresas de tecnologia e um recuo dos fundos de investimento também são um prejudicial. As ações do próprio SoftBank caíram 17% este ano até o fechamento do mercado no dia 16 de junho, quinta-feira.

Son fez uma conferência de resultados em maio e afirmou que o SoftBank deve cortar seus investimentos em startups pela metade, em consequência da desaceleração do mercado global e a necessidade de ter cautela. O discurso começou com um slide intitulado “Preocupações sobre o SoftBank?” e, em seguida, abordou questões sobre sua carga de dívida, o declínio em suas participações acionárias e sua posição de caixa. Mas também afirmou que a empresa está passando por um “inverno” tecnológico.

A unidade Vision Fund também reduziu drasticamente seus investimentos, distribuindo apenas US$ 2,5 bilhões no trimestre de janeiro a março. Isso está abaixo dos US$ 10,4 bilhões do trimestre anterior e muito abaixo do pico de US$ 33,3 bilhões em um trimestre em 2018, de acordo com a Bloomberg.

Há um ano, o SoftBank estabeleceu um recorde de maior lucro trimestral da história japonesa e a empresa obteve um lucro anual de 5 trilhões de ienes. Este ano, com as perdas do Vision Fund, o SoftBank Group teve um prejuízo líquido anual de 1,71 trilhão de ienes.