Quatro organizações brasileiras – ITS Rio (Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio), IRIS (Institute for Research on Internet and Society), Safernet e IP.Rec – estão entre os dez novos parceiros que participarão dos Programas XR e Fundos de Pesquisa, da Meta. O objetivo é fomentar projetos e pesquisas externas que ajudem a construir o metaverso, com bem-estar em segurança.

Os investimentos totais, ao longo de dois anos, serão de US$ 50 milhões. Por meio deste fundo, a companhia irá colaborar com parceiros na indústria, grupos de direitos civis, governos, organizações sem fins lucrativos e instituições acadêmicas “para determinar como construir essas tecnologias de forma responsável” diz a Meta, em comunicado.

O metaverso é um conjunto de espaços virtuais que podem ser criados e explorados por pessoas que não estão num mesmo espaço físico. Neles, é possível estar com amigos, trabalhar, jogar, aprender, comprar, criar e muito mais.

Já é possível estimar a dimensão dos potenciais impactos econômicos dessas novas tecnologias. O Analysis Group, uma das maiores consultorias econômicas do mundo, divulgou um estudo financiado pela Meta estimando que a contribuição do metaverso pode chegar a 2,8% (US$ 3 trilhões) do PIB (Produto Interno Bruto) global 10 anos após sua adoção.

Na América Latina, as atividades relacionadas ao metaverso podem representar 5% do PIB (US$ 320 bilhões) no mesmo período. A estimativa leva em consideração que a adoção e o impacto do metaverso podem evoluir de forma semelhante aos da tecnologia móvel.

Saiba mais sobre as iniciativas brasileiras

  • O ITS Rio vai estabelecer um hub de especialistas para identificar e informar oportunidades e desafios de inovação do metaverso nos países da América Latina, particularmente no Brasil.
  • O IRIS estudará privacidade e proteção de dados em tecnologias imersivas no contexto das políticas e estruturas de governança existentes.
  • A Safernet organizará um programa que inclui workshops e hackathons para discutir a segurança de mulheres e crianças em experiências de realidade virtual e aumentada.
  • O IP.Rec analisará as políticas públicas brasileiras aplicáveis ​​à realidade virtual e aumentada.