Elon Musk desembarcou no Brasil no início desta sexta-feira, 20, para encontro com uma série de executivos de negócios, além de uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro. Em seu Twitter, Musk afirmou estar animado pela visita ao Brasil e anunciou o lançamento do Starlink para “19 mil escolas desconectadas em áreas rurais e também para o monitoramento ambiental da Amazônia”, disse em uma publicação no Twitter.

O Starlink de Elon Musk é um projeto da SpaceX que desenvolve satélites de órbita baixa, com o objetivo de oferecer internet de banda larga em locais de difícil acesso ao redor do mundo. De acordo com Jair Bolsonaro, que discursou durante reunião com Musk, “foi uma visita de cortesia, não de negócios”, mas o Governo Federal se demonstrou animado com as possibilidades de parcerias.

O presidente da República também comentou sobre a empreitada do bilionário na compra do Twitter e a definiu como um “sopro de esperança”: “quando você comprou o Twitter foi um grito de independência. […] Aqui me chamam de mito, não sei porquê, mas você realmente é o mito da nossa liberdade”, afirmou.

Sobre os planos do sul-africano de colocar satélites cobrindo a Amazônia, Bolsonaro diz: “o que mais me chamou atenção foi sua preocupação com a Amazônia de verdade, não com aquilo que a grande mídia faz chegar até os quatro cantos do mundo”, disse a Musk.

“Amazônia não pega fogo”

Ainda durante seu discurso, o presidente da República afirmou que floresta amazônica não pega fogo “porque é úmida”. Os dados do INPE  (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), entretanto, contradizem o presidente. Segundo o Instituto, em 2019, o Brasil bate recorde atrás de recorde em desmatamentos e queimadas nos últimos anos. Apenas em 2019, foram mais de 10,1 quilômetros quadrados desmatados e, em 2020, 10,8 mil quilômetros quadrados. Entre 1º de agosto de 2020 e 31 de julho de 2021, diz o Instituto, o Brasil chegou a 13.235 km² de floresta devastada.

A reunião com empresários e políticos recebeu Luciano Hang, da Havan; Ricardo Faria, da Granja Faria; Alberto Leite, da FS Security, entre outros. Estavam presentes representantes dos ministérios da Casa Civil, Comunicações, Relações Exteriores, Secretaria-Geral, Banco Central e STF.