A uisa, usina sucroalcooleira, vai incorporar a tecnologia blockchain aos seus processos de produção e controle de seus bioprodutos, começando inicialmente pelo Açúcar Demerara Itamarati, uma das marcas do portfólio de alimentos da companhia.

A tecnologia tem como principal função proporcionar transparência, eficiência e segurança à cadeia produtiva da empresa e de seus parceiros. O blockchain permite a automatização do controle de todas as atividades realizadas durante a produção. No caso específico do Açúcar Demerara Itamarati, o consumidor poderá, por meio de um QRCode presente nas embalagens, acessar informações completas sobre plantio e colheita da cana e demais etapas da produção do açúcar. A marca será a primeira com a rastreabilidade Blockchain, mas a empresa já trabalha para avançar para todo o portfólio.

Segundo José Fernando Mazuca, CEO da uisa, com essa iniciativa, a companhia quer ser ainda mais transparente na relação com seus consumidores e com a sociedade, fornecendo informações sobre todo o processo de produção. “A postura sustentável é cada vez mais valorizada por todos. Acreditamos que com esse diferencial vamos atrair novos consumidores para o Açúcar Itamarati”, diz Mazuca. A nova tecnologia contribuirá decisivamente também para os processos de certificações ESG da uisa, para a possível tockenização de ativos (detecta, previne riscos e fraudes, além de gerar transações financeiras de ativos), e para os processos de descarbonização do planeta no qual a Companhia está ativamente engajada.

Os consumidores do Açúcar Itamarati terão acesso a informações sobre colheita, a partir do uso de recursos de geolocalização. Além disso, será possível ter o controle da qualidade dos produtos, e verificar todas as certificações que atestam o cuidado da companhia em todo o processo de cultivo. Essas informações poderão ser acessadas em qualquer lugar do mundo, uma vez que estarão disponibilizadas na web.

O uso da tecnologia blockchain para rastreamento da produção é parte da evolução da uisa como biorefinaria, que produz alimentos, biocombustíveis, bioenergia e bioprodutos. O projeto de aplicação do blockchain em processo de produção de alimentos ainda é inédito no Brasil. Seu desenvolvimento foi realizado por uma equipe multifuncional formada por técnicos da Diretoria de Tecnologia, Automação e Inovação da uisae mais dois sócios tecnológicos, a Google Cloud e a IT Lean, consultoria especializada em tecnologia.

“Estamos investindo cada vez mais em novas tecnologias como Blockchain, pois acreditamos no potencial dos nossos clientes e queremos ajudá-los no processo de transformação digital”, reforça o CEO da IT Lean, Bira Padilha, lembrando que uma demo da solução será apresentada em primeira mão no IT Day, evento que a IT Lean realiza no dia 19 de Maio na Casa Petra, em São Paulo.