Os quatro primeiros meses de 2022 mostraram uma desaceleração dos investimentos em startups, mas segundo especialistas, isso aconteceu devido ao cenário de crise econômica global. Se levarmos em consideração os dados gerais, nos últimos anos vimos um boom de aportes em inovação e novos negócios, uma vez que os investidores buscam transformação digital. 

Só em 2021, os investidores de venture capital aportaram US$ 16,3 bilhões em mais de 900 negócios na América Latina, segundo um levantamento da PitchBook, empresa SaaS de pesquisa sobre mercado de capital privado. 

Já faz um tempo que o mercado latino-americano chamou atenção de investidores internacionais como SoftBank e Tiger Global, mas os fundos locais ainda se destacam mais e tendem a dominar as rodadas de early e mid stage (estágio inicial da startup).

Confira os 10 VCs mais ativos na América Latina, por número de deals: 

Bossanova Investimentos – o fundo paulistano fundado pelos investidores João Kepler e Pierre Schurmann lidera a lista com 269 investimentos, 24 exits e um ticket médio de US$ 2 milhões por rodada. A PitchBook destaca os aportes na logtech Axelhire e na desenvolvedora de chatbots Pedbot

Monashees – fundada em 2015, por Eric Acher e Fabio Igel, é um dos fundos mais antigos no mercado nacional e já participou de 212 investimentos, com 35 exits e uma média de US$ 10 milhões por rodada. Entre os aportes destaque estão a proptech Loft e a fintech de varejo Méliuz, dois unicórnios. 

Kaszek – VC da Argentina, que também carrega tradição no setor, tem 200 investimentos na conta, 24 exits e uma média de US$ 13 milhões por aporte. Na carteira de exits, a investidora tem marcas de sucesso como Nubank e Gympass. 

HBS Angels – Divisão brasileira da Harvard Business School Alumni Angels Association, sediado em São Paulo, conta com 170 investimentos realizados, 23 exits e uma média de US$ 1 milhão por rodada. Um dos mais recentes aportes do fundo foi a fintech de soluções de pagamentos iUPay

Angel Ventures Mexico – Fundo da cidade do México, que tem foco em startups iniciantes, tem em sua lista 156 investimentos realizados, 9 exits e valor médio de US$ 2 milhões por rodada. Entre os aportes atuais e em destaque, está a plataforma de empréstimo P2P Kueski, e entre os exits, está a startups de mobilidade urbana Viapool. 

Canary – Outro fundo de São Paulo, a Canary investe em startups em rodadas de pré-seed até série A, acumulando 151 investimentos, com 12 exits e um ticket médio de US$ 3 milhões. Os aportes destaques da VC são a plataforma de gestão de despesas Clara e Buser, um marketplace para fretamento de ônibus. 

Spectra Investments – Mais uma paulistana na lista, com 100 aportes, 21 saídas e uma média de US$ 9 milhões por rodada. Em sua carteira de investimentos estão as startups Addi, fintech de soluções de compra, e a proptech La Haus. 

Magma Partners – Fundo chileno com investidas de pré-seed e série A espalhadas pela América Latina, tem em sua carteira 99 aportes, com 1 exit e cheque médio de US$ 2 milhões. Entre as startups de destaque estão a fintech Kushki e a plataforma de gestão corporativa Mendel.

Mindset Ventures – A VC brasileira, também sediada em São Paulo, foca em startups early-stage e tem cerca de 80 aportes realizados, 4 exits e valor médio de US$ 7 milhões. A diferença desse fundo é que ele foca em startups nos Estados Unidos e Israel, com o objetivo de expandir para o mercado latino-americano. Na sua carteira, estão as startups unicórnio, fintech Brex e a Turing, plataforma de contratação remota de desenvolvedores. 

DOMO Invest – Para fechar a lista, está outro fundo paulistano. A DOMO já assinou 80 cheques no valor médio de US$ 1 milhão e a maioria foram startups em estágio inicial, com 6 exits de sucesso. O investimento mais recente do fundo foi na startup de segurança da informação Privacy Tools.