* Por Johan Paulsson

Ao longo dos anos, nas publicações anuais de tendências tecnológicas, o conceito de “confiança” aparece continuamente de uma forma ou de outra. O contexto pode mudar ligeiramente, por vezes centrado na confiança na utilização dos dados, na confiança na segurança dos sistemas, ou na necessidade fundamental de confiar que as organizações estão agindo corretamente.

É evidente que o ritmo acelerado de inovações tecnológicas acompanhe também uma evolução na construção da segurança na utilização da tecnologia. E 2022 não será diferente. É interessante observar quantas das tendências tecnológicas estão ligadas à uma necessidade latente de construir um ecossistema tecnológico confiável.

Conectado universalmente através de ambientes híbridos

Para o usuário final – do consumidor que utiliza o smartphone ao gestor de videomonitoramento – a arquitetura tecnológica utilizada para a prestação de serviços tornou-se invisível. Não importa se o processamento tem lugar no dispositivo, no servidor local ou no centro de dados remoto – tudo está conectado.

No ano passado, falamos sobre o mundo horizontal, onde a combinação de tecnologias de nuvem, servidor local e tecnologias de ponta seriam cada vez mais utilizadas em conjunto, cada uma delas empregada com os seus pontos fortes, nas chamadas soluções híbridas. Isto não mudou, mas é muito evidente que a questão da arquitetura é única para cada cliente e precisa levar em conta tanto os recursos e políticas internas, quanto fatores externos, tais como a regulamentação local e internacional.

Cibersegurança: ceticismo saudável

Nem sempre pensamos no ceticismo como uma característica positiva, mas em relação à cibersegurança pode ser uma característica prudente. A pandemia da COVID-19 desempenhou aqui um papel, uma vez que um trabalho muito mais flexível observou mais dispositivos antes utilizados dentro das paredes das empresas ligados remotamente através da internet pública.

Redes de confiança zero significam que o perfil de segurança de cada dispositivo e aplicação de ligação a uma rede é avaliado independentemente a cada vez que é ligado. O modelo traz implicações significativas para o setor de monitoramento por vídeo. Firmware assinado, atualizações regulares de software, boot seguro, dados/vídeo criptografados e identidade segura, devem passar de “bom para ter” para “deve ter”.

Autenticar tudo

Embora a abordagem de confiança zero em relação à cibersegurança esteja centrada na autenticação das credenciais dos dispositivos e aplicações conectadas, a capacidade de estabelecer a autenticidade do próprio videomonitoramento é fundamental para confiar no seu valor.

A manipulação do vídeo após a sua captura, juntamente com o aumento da sofisticação na criação de imagens manipuladas, significa que podemos ver a autenticidade das filmagens de videomonitoramento ser questionada com mais regularidade. A nossa abordagem é acrescentar uma assinatura digital ao fluxo de vídeo no ponto de captação – um hash em cada quadro de vídeo – fornecendo a prova de que o vídeo foi produzido dentro de uma câmera específica e que não foi adulterado desde então.

Mas esta é uma questão para a indústria da segurança como um todo. Deste modo, é imperativo que a indústria se alinhe por iniciativas para padronizar as abordagens e assegurar a autenticidade das filmagens de vídeo capturadas por câmeras de monitoramento, idealmente baseadas em software e iniciativas de código aberto.

Inteligência Artificial se estabelece (com os controles adequados)

Parece impossível escrever um post de tendências tecnológicas sem mencionar a inteligência artificial.  Muitos argumentariam também que a tecnologia já não é uma tendência. De fato, todos nós usamos e estamos expostos diariamente às soluções e serviços baseados na aprendizagem profunda.

A nossa opinião continua a ser que a tecnologia em si não deve ser regulada, mas que os casos de utilização de nova tecnologia devem ser. Embora ainda sejamos positivos quanto ao potencial da IA e da aprendizagem profunda em videomonitoramento, esperamos ver um foco ainda maior em iniciativas para assegurar que a tecnologia está sendo implementada eticamente.

Com uma maior integração da Inteligência Artificial nos níveis mais fundamentais da tecnologia – o system-on-chip (SoC) – veremos a IA ser utilizada para melhorar e otimizar todos os aspectos do desempenho do videomonitoramento, desde a configuração da câmera até a qualidade da imagem, passando pela análise.

COVID-19 como um catalisador

O impacto a longo prazo da pandemia da COVID-19 se manifesta de várias formas, como a popularização das tecnologias de baixo/no touch, muitas das quais estão agora incorporadas permanentemente, tal como a utilização de vídeo inteligente para assegurar o distanciamento social. Em relação ao setor tecnológico, a pandemia também resultou em questões de cadeia de fornecimento que levaram muitas organizações a considerar a forma como criaram e forneceram componentes-chave nos seus produtos.

A natureza conectada de tudo tem significado que a escassez global de semicondutores tem sido uma questão significativa para muitos mercados, desde a tecnologia de consumo às fábricas de automóveis. Isto, por sua vez, levou a que mais organizações – Tesla, Apple e Volkswagen, entre elas – declarassem publicamente o desejo de conceber os seus próprios semicondutores, ou sistema em chip (SoC) (embora se deva salientar que conceber um SoC e fabricá-lo são atividades muito distintas). Vale lembrar que, embora isto possa representar uma tendência em alguns setores, a Axis vem fazendo há anos com o ARTPEC.

5G encontrando o seu lugar

Para nós, uma nova tecnologia só se torna uma tendência quando começamos a ver aparecer casos de utilização eficaz no setor da segurança. Mesmo que grande parte da propaganda em torno da tecnologia tenha sido centrada em melhorias no desempenho das redes para aplicações de consumo, uma das áreas mais interessantes é como as redes 5G privadas emergirão casos de utilização mais adequada para a tecnologia.

Consideramos que as redes privadas 5G mostram potencial genuíno para soluções de videomonitoramento em grandes ou múltiplos locais de clientes, e que poderão trazer benefícios particulares numa perspectiva de ciber segurança. Certamente, se os clientes criarem rede privadas 5G, o videomonitoramento deverá se integrar sem problemas.

Todas as tendências vistas através da lente da sustentabilidade

A sustentabilidade já não pode ser considerada uma tendência. Tem de ser incorporada em tudo o que fazemos: como concebemos e fabricamos produtos, como gerimos o nosso negócio, o desempenho dos nossos fornecedores – tudo alinhado para reduzir o nosso impacto ambiental e proporcionando uma operação ética e confiável, garantindo segurança.

Desde a eficiência energética e os materiais utilizados (e reutilizados) numa câmera, até onde e como são fabricados e entregues, passando pelas implicações éticas das novas tecnologias e práticas empresariais, interrogar as tendências em relação aos critérios de sustentabilidade é fundamental.

De toda maneira, 2022 será um ano fascinante. Não que esteja isento de desafios, mas que também apresentará oportunidades significativas. Como sempre, olhamos para o futuro com otimismo.


* Johan Paulsson é CTO da Axis Communications.