* Por Renato Alves

Com as altas taxas de desemprego no país causadas pela pandemia, empreender foi a solução que as pessoas encontraram para garantir seu sustento no final do mês. Segundo o Boletim do Mapa de Empresas do Ministério da Economia, no segundo quadrimestre de 2021, foram abertas mais de 1,4 milhões de novas empresas no Brasil. Esse é o melhor resultado quadrimestral da série desde 2011. Esse resultado registra um aumento de 1,9% a mais do que o do quadrimestre anterior e 26,5% superior ao período de 2020.

A pesquisa ainda mostra que a atividade econômica que ganhou o maior número de empreendedores foi o varejista, cabeleireiros, manicure, pedicure e obras em alvenaria. Para o ano que vem acredita-se que esses números cresçam ainda mais, principalmente com a instabilidade da economia brasileira e os reflexos da pandemia que ainda perduram para as classes mais baixas. Sendo assim, alguns desafios típicos estão cada vez mais corriqueiros e preocupando aqueles que ainda não iniciaram seus próprios negócios.

A primeira dificuldade encontrada e que ainda poderá ser vista em 2022 é a falta de dinheiro para o pontapé inicial. Mas nesse sentido, as microfranquias tiveram uma ótima aceitação, pois são conhecidas por terem investimentos iniciais que não ultrapassam R$ 105 mil e são mais fáceis de investir. Outro ponto bastante importante é o fato da concorrência estar cada vez maior, como observamos novas companhias chegando no mercado, é normal encontrar aquelas que vendem o mesmo produto ou oferecem um serviço parecido. Nesse caso, é essencial estudar cada concorrente e implementar estratégias diferentes. 

Além disso, uma preocupação constante é a morosidade para legalizar uma nova marca, pois o Brasil é um dos países mais burocráticos quando se fala dessa abertura. Aqui a única forma de conseguir com mais facilidade essa liberação é contar com o apoio de especialistas para identificar situações que podem fugir do seu planejado e auxiliar na escolha do melhor formato para dar continuidade no negócio.

Acredito que os desafios para aqueles que buscam empreender cresceram significativamente e continuarão sendo assim daqui em diante. Mas hoje já existem diversos programas de incentivo, principalmente de empresas que já estão no ramo e podem falar mais sobre a vivência na prática. O mercado de trabalho é muito grande e tem espaço para todo mundo em diversas áreas, o principal ponto aqui é não desistir. Com cautela e sabedoria, tenho certeza que 2022 registrará números expressivos em oportunidades. Afinal, empreender é promissor e vale a pena!


Renato Alves é Diretor de Expansão da Bicalho Consultoria Legal, empresa especializada em migração, internacionalização de negócios e franquias.