Alcançar consumidores brasileiros pode ser um desafio para vendedores internacionais. Não só é preciso se adaptar às regras nacionais, como lidar com burocracias, se adequar a perfis diferentes pelo País e resolver problemas logísticos de estoque e distribuição. Já quem está no Brasil e deseja comprar produtos no exterior também se depara com inconvenientes: além de prazos extensos de entrega, o consumidor fica sujeito ao câmbio do dia e à taxa do cartão de crédito, fora que a navegabilidade em e-commerces internacionais pode ser mais difícil por causa da barreira da língua. É aí que entra a Cross Commerce Store. Fundada em 2021 por João Ricardo Vieira, Eduardo Macedo e Renato Marcelino, a empresa nasceu com a missão de integrar vendedores internacionais a marketplaces locais, diminuindo significativamente o atrito do comércio eletrônico internacional e facilitando a vida de vendedores e compradores.

Nos últimos anos, cada vez mais brasileiros passaram a utilizar o e-commerce — foram 79,7 milhões de consumidores ao longo de 2020, segundo pesquisa da Ebit/Nielsen, com vendas totalizando R$ 87,4 bilhões no período, em um recorde histórico. Todavia, uma fração pequena desse volume é de mercadorias vendidas por quem está fora do País.

“O Brasil tem grande potencial para vendedores internacionais, mas ainda é pouco acessível. É um mercado pulverizado com diversos grandes marketplaces locais e internacionais, além das inúmeras barreiras regulatórias, linguísticas e culturais”, explica Vieira, cofundador e CEO da Cross Commerce Store. “A Cross Commerce Store ajuda os vendedores a superar essas barreiras, com uma plataforma completa para integrar suas ofertas aos principais marketplaces,fazer toda a logística internacional e auxiliar na precificação e no marketing”.

Na prática, com a Cross Commerce Store, os vendedores só precisam passar informações sobre os produtos e despachar os pedidos. A plataforma faz todo o resto: define a estratégia de vendas, otimiza as ofertas para que elas fiquem mais atrativas para o público brasileiro, gerencia os pedidos e auxilia no atendimento ao cliente, além de cuidar da integração com todos marketplaces, como Americanas.com, Mercado Livre e Amazon, que representam cerca de 60% do market share nacional.  A Cross Commerce Store recebe uma taxa de comissão a cada venda realizada e os comerciantes inscritos na plataforma pagam uma taxa mensal de uso pelo serviço.

A empresa começou a operar em outubro, com foco em vendedores baseados na China. “Com a Cross Commerce Store, comerciantes globais têm a solução ideal para ampliar seu alcance e número de consumidores, de forma expressa. Além disso, será mais fácil para brasileiros comprarem produtos internacionais, a preços competitivos, nos sites que estão acostumados a usar para suas compras online”, diz Vieira.

Vindos da B2W, founders têm sólida experiência em e-commerce

A Cross Commerce Store é resultado do encontro de três empreendedores: Eduardo Macedo, João Ricardo Vieira e Renato Marcelino. Macedo e Vieira conheceram- se no Site Blindado, empresa que foi adquirida pela B2W. Depois seguiram na companhia e trabalharam muito próximos do terceiro co-founder, Marcelino, que já havia fundado a Skyhub, também comprada pela B2W.

Na gigante do e-commerce, Macedo foi Head de Expansão do Marketplace e, depois, Diretor de Pagamentos Digitais na Stone. Marcelino, por sua vez, foi Head de Tecnologia do Marketplace na B2W e Vieira, Head do Marketplace Cross Border. Após a experiência sólida na área, viram que havia uma oportunidade grande de melhorar a integração de vendedores internacionais com plataformas locais.

Em setembro, a empresa levantou a sua primeira rodada de investimentos, no valor de R$ 16,8 milhões, liderada pela firma de venture capital Canary. Participaram também Maya Capital, Global Founders Capital (GFC), OneVC e Norte Ventures. “A Cross Commerce Store tem fundadores com trajetórias super interessantes, que passaram por grandes empresas e conhecem bem tanto o setor de pagamentos quanto o de e-commerce. Além disso, traz uma solução para um mercado enorme, ao conectar vendedores internacionais a consumidores brasileiros de forma simples”, afirma Marcos Toledo, managing partner do Canary.

Hoje, a Cross Commerce Store conta com 20 funcionários e já ajuda mais de 30 vendedores chineses a oferecerem produtos no Brasil. Com o investimento, a empresa pretende aumentar o número de colaboradores para 60, além de abrir um escritório na China para atender melhor seu principal mercado.

*Foto em destaque: Eduardo Macedo e João Ricardo Vieira, fundadores da Cross Commerce Store.


Quer acompanhar de perto todos os investimentos no ecossistema de startups? Siga as redes sociais Startupi e acesse nosso ranking de investimentos do mês.