* Por Thales Calmon

Inovar é uma das formas de agregar valor ao negócio, a partir da exploração e implantação de novas ideias que impactem no aumento da produtividade e redução de custos. Quando aplicamos esse conceito ao digital, podemos dizer que é um dos principais objetivos das empresas que passam por uma transformação nos processos e operações. Migrar suas estruturas para a nuvem, podendo acessar ferramentas remotamente, impacta diretamente seus colaboradores e a maneira que irão desempenhar sua rotina de trabalho. 

Pensando além da tecnologia, para que essa transformação digital aconteça de maneira humanizada, manter o foco nas pessoas permitirá uma mudança profunda e duradoura nas organizações. Desta forma, o andamento deste processo por meio dos ecossistemas de inovação implicará também em uma transformação cultural, com novos hábitos e metodologias adotados pelos times como uma nova realidade. Afinal, tecnologia sem aplicação é esforço desperdiçado e as transformações devem ser positivas aos negócios e aos colaboradores. 

Definidos como ambientes que promovem interação entre pessoas ou organizações, os ecossistemas de inovação proporcionam ganhos significativos de colaboratividade e produtividade. Unir os colaboradores em um ambiente com acesso aos dados da empresa, assim como às ferramentas e aplicativos mais utilizados no dia a dia, contribui para o engajamento e senso de pertencimento das pessoas, seja em um modelo de trabalho remoto ou híbrido. Permite o compartilhamento de ideias e a contribuição das equipes em um mesmo documento ou projeto. Torna a inovação essencialmente mais democrática.  

Utilizar ferramentas adequadas também torna a implantação e gerenciamento dos projetos de transformação digital mais duradouros. É preciso observar quais as necessidades específicas e escolher as métricas utilizadas para avaliar o progresso antes de contratar dezenas de programas, pacotes ou serviços. Planejamento e organização são palavras-chave para que todo processo seja consistente e atinja os objetivos. Divido os ecossistemas em três pontos principais: colaboração, produtividade e relacionamento.

Os ecossistemas colaborativos, por exemplo, permitem gerenciar o trabalho das equipes e produzir novos insights., A partir de aplicativos de comunicação e colaboração  utilizando chats, documentos compartilhados e transferência de arquivos, é possível aumentar a produtividade e o envolvimento dos times, proporcionando experiências mais conectadas. 

Enquanto isso, os ecossistemas produtivos apoiam as companhias que precisam migrar seus dados para a nuvem e automatizar seus processos locais.  Isso proporciona a redução de custos com infraestrutura, garante a segurança de dados e traz ganhos de escalabilidade. Tudo isso em um ambiente de trabalho livre, onde as pessoas podem colaborar de onde quer que estejam. As pesquisas mostram que o formato híbrido vai se consolidar e ter isso em mente é fundamental para reter talentos.

Já os ecossistemas de relacionamento auxiliam os negócios baseados em dados, que precisam passar por uma mudança estratégica, adaptando-se ao e-commerce e ao crescimento do consumo digital. Por meio da implantação desse ambiente, centralizado no consumidor,  é possível criar estratégias multicanais, campanhas personalizadas, mapas de jornada do cliente, entre outros.

As empresas que conseguirem avançar na transformação digital, mantendo o olhar ao humano, estarão um passo à frente na otimização da produção, na redução de custos e na disputa por profissionais qualificados – agora disponíveis em qualquer lugar com o fortalecimento do home office. Terão ganhos também com a identificação do colaborador com a empresa, como uma companhia focada em inovação para os usuários que já são habituados com essas tecnologias no mundo consumidor.


ThalesThales tem um perfil empreendedor nato e ajuda empresas a se reinventarem fazendo o melhor uso das tecnologias de marketing, desenvolvendo o que existe de melhor nas soluções atuais de mercado. Com mais de 25 anos dedicados à área de tecnologia, ele é um “incomodado”, de raciocínio lógico muito preciso, que encontra soluções inovadoras para todos os novos desafios. Para ele, desenvolver múltiplos ecossistemas de inovação é o mais importante para promover experiências únicas para todos.