* Por Carlos Cavalcanti

A recuperação econômica em vários setores é notória. As exportações brasileiras, por exemplo, somente no primeiro trimestre de 2021, bateram um recorde de 136,42 bilhões com um crescimento de 36%, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI). A participação das multinacionais brasileiras nas exportações totais do Brasil também passou de 18% em 2001 para 21% em 2013 e 24% em 2019. Uma crescente significativa.

É válido destacar que temos uma trajetória bem interessante de internacionalização desde 1941, com o Banco do Brasil, que foi a primeira empresa brasileira a inaugurar uma filial fora do país, no caso, em Assunção, no Paraguai. 

O estudo Trajetórias FDC de Internacionalização das Empresas Brasileiras, publicado em 2020 pela Fundação Dom Cabral (FDC), mostra que pouco mais de 500 empresas brasileiras são internacionalizadas, seja exportando ou com unidades físicas no exterior.

Não restam dúvidas de que estará em evidência a empresa que conseguir levar a sua marca a um patamar global. 

Quando se pensa no processo de querer internacionalizar a marca ou negócio, é comum surgirem dúvidas sobre qual momento é o ideal para buscar informações e parceiros.

O que também é muito comum é a certeza de que ninguém quer correr riscos muito altos em um mercado no qual as leis e as normas são desconhecidas. 

Saiba que esse processo pode ocorrer de diversas formas.  A seguir, cito as três mais comuns:

  1. Quando você exporta um produto para outro país; 
  2. Quando você abre uma unidade física da empresa em outro país para fabricação do produto;
  3. Quando você abre um escritório de prestação de serviços para atender clientes daquela nação.

Principais benefícios de internacionalizar a sua empresa

1) Criar uma marca global

Antes de tudo, é importante ressaltar: para que uma empresa consiga se estabelecer como marca global, é fundamental que ela conte com profissionais especializados em Propriedade Intelectual e Propriedade Industrial, que por meio de uma gestão estratégica, conseguem antecipar as exigências e garantem agilidade e segurança em todas as etapas.

Não é uma tarefa simples desbravar o mercado internacional, mas, quando o empresário tem orientações assertivas, criar uma marca global acaba sendo uma consequência do processo e, com isso, a sua credibilidade frente ao mercado nacional aumenta. Muitas vezes, ele acaba se tornando uma referência global em qualidade, além de aumentar significativamente o valor de mercado da sua empresa.

2) Reduzir custos de tributação

Quando se comercializa em grande escala produtos para o exterior, o empresário consegue abater os custos da produção. É muito comum, inclusive, ser beneficiado com uma redução da carga tributária pelos países que vão receber a mercadoria.

Além disso, o próprio governo brasileiro pode conceder esse benefício fiscal para impostos, como Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

O Brasil é um dos países que concentra a carga tributária mais alta do mundo. Portanto, conseguir essa redução fiscal colabora para o crescimento da organização. 

Unificar todas as áreas da empresa

Nesse processo de atender às exigências do mercado exterior, todas as áreas da empresa (administrativo, jurídico, marketing, recursos humanos, linha de produção etc.) precisam se alinhar para que o produto e/ou serviço siga uma padronização internacional.

Conquistar novos mercados exige disposição para enfrentar desafios, todavia, são muitos os benefícios.

Para que esse importante passo seja dado de forma segura e confiável, não deixe de buscar por parceiros confiáveis, ou seja, profissionais especializados em PI. Com uma parceria, você conseguirá reduzir os riscos de implementação e acelerar o processo de internacionalização de sua empresa.

Lembre-se: mesmo seguindo todos os passos para levar a sua marca para fora do país, é fundamental que a organização não pare de buscar novos conhecimentos e expertises, porque esse é o caminho que levará o desenvolvimento de produtos e serviços diferenciados, fontes de rendas no país de origem e no exterior, e a capacidade de diversificar os riscos.


Carlos André Cavalcanti é advogado especializado em marcas e patentes com mais de 20 anos de experiência na área de Propriedade Intelectual, sócio de Cavalcanti e Cavalcanti Advogados e sócio-gerente da Moeller IP Brazil, subsidiária da Moeller IP Advisors, escritório de advocacia com mais de 90 anos de experiência especializado em uma gama completa de Serviços de Propriedade e Assuntos Regulatórios em toda a América Latina. É parceiro no gerenciamento de bens de Propriedade Intelectual, para que seus clientes foquem na inovação, garantindo processos seguros.