* Por Yvon Gaillard

O número de empresas familiares no Brasil representa uma parcela significativa no setor de novos negócios. Segundo dados apresentados pelo IBGE em 2020, esse número leva a uma representatividade de 65% no Produto Interno Bruto (PIB) e à empregabilidade de cerca de 75% dos trabalhadores, sendo essenciais para a economia do país. Porém, apenas uma pequena porcentagem consegue se manter ativa e organizada. 

Em um dos países mais burocráticos do mundo no quesito fiscal, a importância de ter processos que agilizem os pagamentos de impostos para a liberação de produtos e que mantenham o compliance, contribuição para que as ações da empresa estejam de acordo com as normas vigentes, acabam se tornando essenciais para o sucesso e progresso das operações.

Para falar sobre os benefícios da inovação fiscal e os desafios que as empresas familiares enfrentam, no último dia 24, intermediei um webinar sobre o tema, com a presença de dois representantes de empresas PME, que utilizam a solução da Dootax, startup que otimiza as rotinas fiscais através de um software RPA (robotic process automation), utilizando a tecnologia para automatizar processos, que apontaram os passos para tornar a inovação fiscal como realidade de seus processos e gestão. 

Analise possíveis investidores 

O primeiro passo é analisar como a sua empresa pode atrair investimentos. Para isso, é preciso entender a realidade do seu negócio, quais são os principais gargalos na geração de receita, capacidade de gestão, geração de resultados e também como a empresa pode gerar valor no futuro.

Use a contabilidade como ferramenta de gestão

Utilizar a contabilidade como um processo de gestão e não apenas tratar o setor contábil como ferramenta para pagar impostos, também é uma importante decisão a ser tomada. O ideal é que a gestão da companhia seja feita pela contabilidade, pois é nesse setor que estão os problemas e potenciais contingências ou falhas. Avaliar a realidade da empresa, a realidade fiscal, tamanho do faturamento, adequação ao perfil de venda, canais de distribuição e eficiência tributária são passos importantes para ter uma gestão eficiente.

Aliar a automatização de processos com conversas diárias com o contador, ter uma consultoria para eliminar gastos e contar com o suporte de plataformas que auxiliam em outros setores de gestão, são fatores essenciais para empresas que contam com poucos colaboradores. 

ESG 

As empresas familiares também precisam se adequar a adoção de práticas de ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança), que vêm ganhando notoriedade na sociedade e se tornando indispensáveis para as organizações, principalmente para negócios familiares que buscam crescimento. 

Compliance Fiscal 

Outro fator de extrema necessidade e importância para negócios que querem crescer e se manter saudáveis é o compliance fiscal. Para realizar qualquer negócio com entidades públicas, outras empresas e conseguir linhas de crédito, o seu compliance fiscal tem que estar em dia. Acontece e não é incomum, o dono confundir a contabilidade pessoal com a da empresa e muitas vezes tem o risco civil e criminal dentro desse ponto. Ter o compliance é uma tendência maior do que necessidade para esse tipo de negócio, pois protege o seu patrimônio pessoal, o de sua empresa e também o de sua família. 

Inovação é essencial 

E por último, mas não menos necessário, a inovação é essencial. Mesmo enfrentando diferentes desafios, se comparados às grandes corporações, as empresas familiares também devem buscar por inovação. 

Segundo pesquisa da PxC, apenas 28% das empresas familiares acreditam ter fortes recursos digitais, e o cenário fica mais complicado quando consideramos o sistema tributário em que vivemos, resultando em departamentos fiscais cheios de burocracia e lentos, dificultando as vendas online. 

A tecnologia fiscal se torna aliada para ter eficiência em qualquer tipo de negócio, principalmente em empresas familiares que são a maioria e essenciais para a economia do país. 


YvonYvon Gaillard é economista, pós-graduado em direito tributário pela FAAP e com MBA em gestão empresarial. Atua há mais de 13 anos com tecnologias para soluções financeiras.É um dos fundadores da Flux-IT e da Dootax, considerada uma das startups mais promissoras do ecossistema brasileiro.