Os códigos de barras estão em todos os lugares. Além de encontrá-los estampados em todos os produtos da despensa ou do armário do banheiro, a tecnologia também é usada para rastrear todo tipo de objeto. Durante a pandemia, eles foram essenciais para o setor de saúde, ao identificar pacientes, doses e exames, por exemplo.

“A tecnologia tem mais de 50 anos e encontra aplicações cada vez mais importantes, beneficiando diversos setores como logística, indústria, assistência médica e, claro, varejo e comércio eletrônico” explica a gerente de marketing regional da Zebra Technologies no Brasil, Shirley Klein. “Os códigos de barra permitem a identificação de produtos, peças de reposição, matérias-primas e até pessoas, como pacientes, facilitando a gestão e o fluxo dessas operações de forma completa e controlada”, completa.

Desde sua criação, em 1958, para facilitar a identificação de produtos em caixas registradoras e reduzir o tempo de cobrança, os usos dos códigos de barra evoluíram. Klein lista alguns dos benefícios da tecnologia que mais impactam o nosso cotidiano:

Logística e produção

Em 1973, foi criado o padrão GS1, para que os códigos de barra virassem uma linguagem que pudesse ser usada no mundo inteiro por negócios que buscassem automatizar suas operações. O modelo UPC (Universal Product Code) ainda é bastante utilizado, mas outros formatos, que também fazem parte do padrão GS1, surgiram para apoiar atividades e cadeias de produção e logística cada vez mais complexas. Os códigos QR e de identificação por radiofrequência (RFID), um sistema de comunicação sem fio baseado em radiofrequência que identifica todos os tipos de objetos, são muito populares hoje em dia e mostram como a tecnologia evoluiu. Estas variações garantem que operações de produção e logística, ao rastrear produtos e insumos com os códigos, apresentem margens mínimas de erros e elevados padrões de qualidade.

Varejo

Desde seus primórdios, o código de barras se popularizou entre os varejistas junto com a possibilidade de impressão em grande escala, apoiando os comerciantes no controle e na distribuição de seus produtos. Alguns dos primeiros protótipos de impressoras que operavam em escala foram feitos pela Zebra Technologies e permitiram que as indústrias identificassem tanto as matérias-primas quanto os produtos finais, garantindo maior visibilidade nas operações. Fluxos de trabalho mais eficientes permitiram a produção em massa e o varejo em escala como o conhecemos hoje.

Saúde

Os códigos de barras são amplamente utilizados em hospitais e estão presentes em pulseiras de identificação de pacientes por meio de sua versão RFID. Ao digitalizá-los, os profissionais de saúde têm acesso a todos os dados de que precisam para oferecer o melhor tratamento possível. A tecnologia também torna esses profissionais mais eficientes e ajuda a minimizar as chances de erro humano na administração de um medicamento, por exemplo. Em tempos de pandemia, a identificação dos pacientes é ainda mais necessária, garantindo o isolamento das pessoas com COVID-19 ou suspeitos. Também as estruturas drive-thru, que foram implantadas em diversos países para oferecer testes de detecção do coronavírus, são baseadas na tecnologia de código de barras para identificar amostras instantaneamente, graças ao uso de impressoras móveis.