Com data prevista para 26 de novembro, a Black Friday deste ano promete apresentar ainda mais novidades para o mercado. Uma delas é a consolidação do modelo de vendas online Direct To Consumer (D2C) na indústria. Ou seja, a venda direta para o consumidor, sem a intermediação do varejo. A Synapcom , empresa líder em full commerce – modelo de negócio que desenvolve, implementa e gerencia operações de e-commerce de ponta a ponta no Brasil e na América Latina, aposta nessa ideia para que as marcas proporcionem uma experiência mais eficiente para os consumidores durante a ocasião.

Considerada a data mais importante do varejo eletrônico no segundo semestre, a Black Friday tem atraído cada vez mais espaço na cultura brasileira com descontos, promoções e fidelização a cada edição. Em 2020, o faturamento das marcas atingiu o seu nível mais alto, com um total de vendas que chegou a R$ 4,02 bilhões, segundo dados do Ebit|Nielsen. A expectativa para este ano é ultrapassar esse montante e, para se destacar em meio a tantas ofertas, será preciso centralizar os esforços em uma relação mais próxima com o consumidor.

“A expectativa para os próximos anos é que a indústria esteja fortemente presente no comércio online porque é onde seus clientes estão. O D2C é um caminho extremamente estratégico, que vai levar o setor a conhecer seu consumidor com profundidade, estreitar o relacionamento e melhorar ainda mais a sua operação no digital. Em um mercado cada vez mais competitivo, ter acesso aos dados do seu público é fundamental para alcançar o sucesso da marca”, comenta Fábio Fialho, CSO da Synapcom.

Para fidelizar os clientes, as marcas também devem apostar em diferentes estratégias como cupons de ofertas e cashback nessa oportunidade. Contudo, repetir parâmetros usados por toda a indústria não basta para que essa fidelização aconteça. É nesse momento que os dados fazem a diferença para uma maior personalização do atendimento.

D2C e o marketplace

Investir no D2C é uma estratégia crucial que vai ajudar o fabricante a gerar insights para o desenvolvimento e criar um vínculo maior com seu público-alvo. Isso não significa que a marca deva substituir ou reduzir seus canais de venda, e sim ampliá-los. E para que o D2C se torne realidade, a indústria tem alguns passos a percorrer para aprender a ‘’varejar’’.

Portanto, é fundamental que a indústria acompanhe o varejo e aumente sua atuação no comércio online. Segundo dados do E-bit|Nielsen, a expectativa para o e-commerce é um crescimento de 26% em relação ao ano passado. A Black Friday é uma ótima oportunidade para isso!

Confira abaixo alguns pontos de atenção para a indústria na Black Friday:

– Prepare-se para escalar nessa data. Então, seja rigoroso na sua previsão de vendas para garantir volume de estoque. Avalie se a estrutura que tem hoje, desde tecnologia a espaço de armazenagem no galpão, capacidade das transportadoras e do SAC, são suficientes para manter o nível de qualidade da experiência mesmo com o aumento da demanda;

– Para monitorar o nível de qualidade com o aumento do volume de pedidos, faça pesquisas NPS antes e depois da Black Friday para comparar e compreender a percepção e experiência de compra do seu consumidor;

– A partir dos dados disponibilizados no canal de venda D2C, analise e identifique oportunidades para criar promoções personalizadas, como descontos na segunda peça para quem tem mais de um filho, por exemplo;

– Invista no treinamento do seu atendimento, não só a parte técnica dos produtos, inclua também o tom de voz da sua marca. Esse é um ponto de contato importante com os consumidores e é parte fundamental para criar a experiência ideal para eles. E não se esqueça de reforçar o time de SAC para a Black Friday;

– Tão importante quanto a venda em si, é a entrega – é preciso pensar na experiência completa, ou seja, da aprovação do pedido até o produto chegar aos consumidores e pós-venda. Preocupe-se com a eficiência da entrega, com logística robusta para atendê-los.

– Por fim, enxergue seu consumidor como um todo, um ser humano repleto de expectativas em relação à compra, e não apenas uma cifra.