Ir para o conteudo

O promissor cenário das edtechs no Brasil

* Por Ana Flávia Carrilo 

Mais do que um direito fundamental, a educação é fator importante para o desenvolvimento social, econômico e cultural de um país. No Brasil, sabemos que o sistema educacional sempre sofreu com deficiências, o que só se intensificou no último ano, quando as profissões e soluções para o setor passaram a ser uma das mais demandas, do ensino básico ao superior. 

E foi nesse cenário que as edtechs (startups de educação) mostraram ainda mais o seu valor para o mercado, para conseguir suprir as demandas já existentes e as novas que surgiram num volume muito maior que o esperado e 100% tecnológicas.  Elas foram ágeis, souberam se adaptar e reinventar suas soluções. 

Atualmente, a Abstartups tem mapeadas 566 edtechs ativas em todo Brasil, em fase de operação à escala, ou seja, com suas soluções disponíveis no mercado. Destas edtechs, 46,8% delas têm plataformas como recurso principal. Pensando na alta demanda de ferramentas online para ensino, como aumento de cursos, EAD (ensino a distância) e modelos híbridos nas escolas, essa característica das edtechs é bem positiva e repleta de possibilidades. 

Se muitos setores como o de eventos e turismo sofreram com os imprevistos de uma pandemia mundial,  o cenário das edtechs por sua vez, foi um dos mais promissores, já que 63,8% do setor conseguiu manter ou até mesmo aumentar sua faixa de faturamento durante o ano de 2020, 40% realizaram contratações (ou seja, aumentaram seu time) e 88,8% mantivera os times, sem a necessidade de fazer demissões. 

Um dos fatores para isso, foi a rapidez com que as edtechs identificam as oportunidades e conseguiram oferecer suas soluções desde o ensino básico até o ensino superior. Só no ano de 2020, identificamos o nascimento de 65 novas edtechs no Brasil, principalmente no estado de São Paulo (38,5%). Um crescimento relevante, mesmo em um cenário de incertezas.

Esse exponencial destaque e crescimento do setor, reforça a importância do segmento no mercado brasileirio e o quanto ainda tem espaço aberto para inovações educacionais. Os desafios agora são estreitar o relacionamento entre edtechs e o setor público (garantindo mais inovação para o ensino público brasileiro), rodadas de investimentos e incentivo com novos cases de sucesso. Será que teremos uma nova startup unicórnio de educação? Nos resta aguardar e continuar acompanhando de perto o ecossistema! 


Ana Flávia Carrilo é Coordenadora da área de Informação na Associação Brasileira de Startups (Abstartups), responsável por mapear, gerar os estudos, dados e reports de mercado da instituição com o objetivo de fomentar o ecossistema empreendedor brasileiro.

Espaço Exclusivo para Empreendedores transmitirem conhecimento, desafios e experiências sobre aceleração, captação de investimentos, planejamento de marketing, escalabilidade, feiras e missões comerciais, internacionalização; know how sobre modelagem de negócios, mentoria, MVP, pivotagem, relação com investidores, com sócios, com clientes…e muito mais!

Matérias Relacionadas

No comments yet. You should be kind and add one!

Our apologies, you must be logged in to post a comment.