* Por Ana Flávia Carrilo

No último dia 08 de março, comemoramos o Dia Internacional das Mulheres, o que significa que todos os anos, este mês torna-se um cenário de pautas, dados e celebrações das mulheres e sua força. Realmente, a data é um marco importante da luta de nós mulheres, por direitos, equidade e nosso espaço na sociedade. Mas não podemos parar por aí.

Sabemos que o cenário da tecnologia é conhecido por ser majoritariamente masculino, logo, nosso ecossistema empreendedor também. Mas neste artigo, ao invés de questionar as causas desse fato ou dizer que apenas 12,6% das startups brasileiras são fundadas por mulheres, eu quero dar espaço para aprendermos e conhecermos melhor essas empreendedoras.

Podemos estar em menor número se comparado a empreendedores homens, mas não somos poucas ou menos relevantes por conta disso. Pelo contrário. Empreendedoras estão espalhadas por todo país, conquistando seu espaço mesmo enfrentando dificuldades ainda maiores – pelo simples fato de serem mulheres. Conheça um pouco mais desse cenário: 

Representatividade Nacional 

Startups fundadas por mulheres estão presentes em todas as regiões e estados brasileiros. As regiões centro-oeste e nordeste são as que mais concentram empreendedoras, segundo o último mapeamento de comunidades realizado pela Abstartups. 

Representatividade feminina nos times 

Não só de fundadoras são formadas startups. A representatividade feminina em cargos no time também é um fator importante. Vale também se atentar especialmente quando pensamos em cargos de liderança, tomadoras de decisão. No último mapeamento, identificamos o seguinte quadro de mulheres no time de colaboradores das startups: 

Diversidade no time 

Quando falamos do impacto da diversidade, estamos falando não só de inclusão como também o fomento para a pauta nas startups e ecossistema. Prova disso, é que vemos mais diversidade no time entre as startups fundadas por mulheres no Brasil, como você pode ver abaixo: 

Como você pode aprender mais com as mulheres empreendedoras?

Conecte-se, divulgue e colabore com essas mulheres empreendedoras não só no mês de março. Não sabe por onde começar? Algumas dicas: para conhecer mais sobre essas startups, acesse o Startupbase, nossa base de dados e acompanhe nossa página de estudos

E aproveite para responder ao nosso Diagnóstico de Diversidade, e compartilhar sua visão sobre diversidade no nosso ecossistema. A pesquisa é anônima, mas nos ajudará a mapear iniciativas e oportunidades.


Ana Flávia Carrilo é Coordenadora da área de Informação na Associação Brasileira de Startups (Abstartups), responsável por mapear, gerar os estudos, dados e reports de mercado da instituição com o objetivo de fomentar o ecossistema empreendedor brasileiro.