Ir para o conteudo

Pay as you pedal: a consolidação do modelo de assinaturas

* Por Henrique Volpi

Talvez ainda não tenhamos percebido. Mas, a cultura do consumo de serviços sob demanda já está totalmente integrada em nossas vidas. Para os que utilizam Netflix e Disney +, Spotify e Deezer ou até mesmo a compra de cápsulas de Nespresso no modelo de assinatura, o serviço sob demanda já é uma realidade e faz parte da cultura de consumo atual.

Nascido no mundo do “SaaS” (software as a service), o conceito saiu das nuvens de infraestrutura e foi se expandindo para outras áreas da economia. O fato é que este modelo deixa a relação entre o consumidor e seu fornecedor muito mais justa e por isso, o sucesso se alastra nas mais diversas ofertas.

Dentro do conceito de serviços “on demand”, o consumidor paga aquilo que consome e o seu provedor libera os serviços por um período limitado e estabelecido no processo de “onboarding” da assinatura. Já no mundo da mobilidade, começamos a observar assinaturas de automóveis e bicicletas por tempo limitado e alguns estudiosos afirmam que está acontecendo a consolidação do modelo de assinaturas.

No segmento de seguros, por exemplo, um grupo de startups denominadas “insurtechs” já oferece o modelo de assinatura desde 2017. O modelo de negócios naquela época foi um grande salto inovativo e parece sofrer agora mais uma onda de inovação. Inicialmente, tivemos o início dos modelos de “pay-per-mile”, como da empresa americana Metromile, que recentemente fez IPO via SPAC.

A proposta da empresa é gerar economia para aqueles que compram seguros para automóveis. Você paga apenas os KMs que você rodar com o seu carro. Ao fazer simulações, percebe-se que para aqueles que não rodam muito, ou seja, não trabalham com o carro, o modelo é muito vantajoso.

A ideia pode ser facilmente portada para outros veículos como caminhões, motos e até bicicletas. 

Com a grande expansão no uso das magrelas no ano de 2020, novas alternativas de compra ou uso de bikes elétricas, por exemplo, começam a surgir e com estes modelos, os seguros intermitentes, recém-aprovados pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) também começam a prosperar. Trata-se da mesma tese. Ou seja, você paga e se protege com um seguro pelo período do seu uso ou trajeto. Um modelo muito mais justo e econômico.


Henrique Volpi é sócio-fundador da Kakau Seguros, formado em Administração pela PUC-SP, com especializações em fintech pelo MIT e em liderança do futuro pela Singularity University. Trabalhou em empresas como BMC, EMC Dell e Servicenow. Foi co-autor do livro “The INSURTECH Book: The Insurance Technology Handbook for Investors, Entrepreneurs and FinTECH Visionaries”.

Espaço Exclusivo para Empreendedores transmitirem conhecimento, desafios e experiências sobre aceleração, captação de investimentos, planejamento de marketing, escalabilidade, feiras e missões comerciais, internacionalização; know how sobre modelagem de negócios, mentoria, MVP, pivotagem, relação com investidores, com sócios, com clientes…e muito mais!

Matérias Relacionadas

No comments yet. You should be kind and add one!

Our apologies, you must be logged in to post a comment.