* Por Vivian Zollar

A área de alimentação é, sem dúvida, um ramo de atividade dos mais atrativos economicamente. Muitos negócios começam com a receita do doce da família, da torta que lembra a ceia de natal ou da carne que faz sucesso no almoço de domingo. São receitas que deixam de ser conhecidas apenas pelos parentes, ganham o mundo e conquistam o paladar de outras pessoas.

A essência do produto artesanal está em algo especial: o carinho e as memorias afetivas que o produto traz. Mesmo com isso, para comercializar produtos artesanais é preciso considerar a qualidade e a segurança alimentar para o consumidor. Pensando no marinheiro de primeira viagem, listamos 5 passos importantes para não perder a mão na qualidade.

– Conheça os órgãos reguladores na área de alimentação: além de fiscalizar e orientar, eles são  responsáveis pela legislação vigente;

– Estabeleça um CNAE (Código Nacional de Atividade Econômica) adequado às suas necessidades: a escolha de um CNAE de forma equivocada pode incorrer em custos e exigências que inviabilizem o negócio;

– Regularize seu estabelecimento: documentos como Licença Sanitária, Alvará, dentre outros, são fundamentais para negócios em alimentação, inclusive para MEI;

– Cuide das boas práticas: qualidade vai além de um bom produto, é preciso seguir normas e procedimentos no preparo que garantam a higiene para evitar problemas com a saúde do consumidor;

– Fique atento ao rótulo: se você pretende comercializar um produto embalado saiba que é necessário atender às legislações de rotulagem, dentre elas: ter a tabela de informação nutricional, presença de alergênicos, prazo de validade.

Vai iniciar um negócio na área de alimentação? Evite problemas, retrabalhos e custos desnecessários no futuro. Ter orientação profissional é possível e acessível.

* Vivian Zollar é fundadora da Qualy Food – Assessoria e Consultoria em Nutrição.