* Por Mariana Cigerza

Poucos empreendedores cogitam passar por um momento de escassez, como este de 2020, e com um cenário econômico tão incerto dos últimos anos. Entretanto, os negócios que não estiverem organizados e preparados para enfrentarem um momento difícil, raramente sobrevivem no curto e médio prazo.

Muitos fatores externos podem acontecer, como mudanças no mercado, novos entrantes que chegam e ganham espaço, concorrentes que ofereçam produtos a um preço menor, mas que nem sempre corresponde à qualidade equivalente, problemas com fornecedores. Enfim, não importa o cenário, sobrevive quem tiver condições de se adaptar melhor e for mais resiliente em meio às crises e as mudanças no cenário econômico.

No momento, estamos vivendo uma pandemia e assistimos um movimento grande no mercado dos pequenos e médios empreendedores que se jogaram no digital, alavancando seus produtos e serviços por meio da internet.

O movimento da aceleração dos negócios online pode até parecer óbvio, pois muitos PMEs já estavam adaptados com suas empresas rodando no digital, seja com sites para divulgação de portfólios, lojas online, agendamento de visitas para serviços de reparos, por exemplo, entre tantas outras possibilidades, o empreendedor já fazia seu negócio chegar para o público-alvo. 

A pandemia aumentou o tempo do consumidor com seus devices e as busca por comodidade, fazendo com que ele experimentasse novas formas de compra e relacionamento com as empresas na internet – assim, esse foi o empurrão que as PMEs que ainda não tinham uma presença digital bem estruturada, buscassem alternativas para profissionalizar seus canais aproveitando todas as oportunidades para os negócios online.

São diversas as ferramentas que podem ajudar o PME num momento como esse. Existe a possibilidade de transformar um site simples que antes só apresentava um portfólio de produtos em um e-commerce, com facilidades para meios de pagamento seguro e parcelamento que incluem serviços de entrega com taxas acessíveis e alinhadas ao custo do produto que está à venda.

Trabalhar a comunicação de forma integrada incluindo redes sociais, posicionando bem a marca e buscando engajamento é importante. Também é possível investir em anúncios dos produtos e serviços de forma assertiva conforme o perfil alvo da empresa.

É fundamental aliar as redes sociais com o site, pois é nele que o PME tem mais espaço para apresentar ao cliente seus produtos e serviços e provar que há uma empresa real e comprometida por trás das postagens nas redes sociais. O site precisa ser seguro com certificado SSL, que além de passar confiança na navegação e na etapa de inclusão de dados pagamento, auxilia no rankeamento nos sites de busca. 

Uma outra possibilidade é a criação de conteúdos que tenham relação com o seu negócio, direcionando ao consumidor para que este o enxergue como especialista no segmento de atuação, consolidando a operação no digital.

Ao se comunicar com o cliente, o PME deve fazer uso de caixas de e-mail com um domínio próprio, pois também passa credibilidade ao negócio. E aliados aos serviços que possam auxiliar na divulgação como o e-mail marketing, por exemplo, também contribui para bons resultados.

Outra dica é buscar soluções que possam substituir meios tradicionais e que podem acarretar numa redução de custos para a empresa como a telefonia voip em vez de linhas de telefone tradicionais e ferramentas de envio de e-mails transacionais como o SMTP.

É importante ter em mente que no momento da crise econômica global, deve-se investir no que realmente faz diferença para o negócio, afinal, poucos sobreviveriam a uma pandemia sem investimento no ambiente digital, adaptando às vendas ao que estamos chamando de um “novo normal”.

Essa adaptação permeia muitas coisas. Quando se trata de presença online, penso que substituir ferramentas, como comentei acima, para reduzir os custos da empresa ou investir em produtos digitais que permitam a transformação digital e gere novos leads e conversão dos clientes, é um bom caminho. O off-line neste momento está funcionando com muitas restrições.

Como último conselho, acredito que a melhor forma é se informar sobre as possibilidades de produtos que já estão consolidados no mercado e apresentam bons resultados, identificando se eles atendem às necessidades específicas do PME.

Dessa pandemia, levaremos a certeza de que estar online é fundamental usar ferramentas que facilitem o dia a dia das empresas, proporcionando em ganhos de alcance para o PME, atingindo os clientes que o modelo off-line não alcança. O consumidor, por sua vez, adaptou-se bem a comodidade que esse movimento lhe trouxe, na eficácia da jornada de compras, pagamentos e entregas à domicílio. Com certeza, são novos hábitos de consumo vieram pra ficar.

* Mariana Cigerza, coordenadora de Marketing de Produtos da unidade Varejo Locaweb.