PUBLIEDITORIAL

Facilitar o acesso da indústria capixaba à inovação. Esse é o objetivo do Findeslab, uma iniciativa conjunta da Findes (Federação das Indústrias do Espírito Santo) e do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), que ajuda a fomentar ainda mais o ecossistema de startups do Espírito Santo.

Números não oficiais indicam que hoje o Estado têm aproximadamente 120 startups, além de algumas incubadoras, aceleradoras e hubs, como o Findeslab. Além disso, possui outras fontes de fomento junto à Fundação de Apoio à pesquisa e Inovação (Fapes), linhas de crédito específicas (Bandes – Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo) e grandes empresas que investem em programas de inovação aberta.

“O Senai, a partir de seus institutos de Tecnologia e Inovação, já atuam no apoio ao desenvolvimento de produtos e processos inovadores. O Findeslab veio cobrir a lacuna de ser um hub de inovação para a indústria, apoiando desde a ideia ao projeto de inovação, além de conectar parceiros, startups e grandes empresas nas demandas e ofertas de inovação”, conta Iomar Cunha, responsável pelo setor de Articulação para Inovação do hub.

Iomar Cunha, responsável pelo setor de Articulação para Inovação do Findeslab.

Estrutura

O hub, que completou um ano de fundação em setembro, conta com uma estrutura física dividida em dois andares, localizados no topo do Edifício Findes, em Vitória, capital do Espírito Santo. O local contempla um ambiente de trabalho colaborativo, espaço de prototipagem com equipamentos modernos, salas de reunião e uma área de convivência pensada para estimular conexões e networking com a comunidade que frequentará o espaço.

Visão aérea do Findeslab no topo do Edifício Findes, em Vitória/ES.

Além disso, o Findslab conta com quatro linhas principais de atuação: Projetos de Inovação, focado em análise de ideias e projetos industriais; Projetos de Inovação Coletivos, onde são promovidos alguns projetos de inovação setoriais; Apoio ao desenvolvimento de Spin-Offs Industriais, centralizado em tecnologia e inovação para transformação da indústria e o Programa de Empreendedorismo Industrial, conectando desafios de grandes empresas a startups e spin-offs com método de aceleração.

Ao todo, 12 grandes empresas atuam como parceiras do projeto, 14 startups com ações diretas nos desafios do Primeiro Ciclo do Programa Findeslab de Empreendedorismo, ocorrido no ano passado, além de dezenas de startups e companhias envolvidas em projetos de inovação, submetidos em editais de fomento e que foram apoiados pelo hub. 

“Acreditamos na promoção da inovação como fio condutor do aumento da competitividade da indústria capixaba e como caminho para transformar a economia do nosso estado. Fomentamos inovação aberta e colaborativa com o objetivo de facilitar o acesso da indústria capixaba a soluções variadas e conectar o Espírito Santo a uma rede internacional de iniciativas, pessoas e entidades inovadoras”, destacou Cunha.

Sala de reunião do Findeslab.

Programa Findeslab de Empreendedorismo Industrial

O Programa de Empreendedorismo Industrial do Findeslab conecta desafios de grandes companhias à propostas de solução de startups. Cada um dos projetos selecionados, além de receberem um aporte de até R$ 200 mil para serem desenvolvidos, passam pelo método de aceleração do hub, tendo acesso à expertise, tecnologia e investimentos necessários para criar um produto inovador viável em um ambiente de alta densidade. 

No primeiro Ciclo, 8 empresas participaram dos desafios, circulando quase R$ 5 milhões. Já o segundo está na fase de captação de soluções de mais 16 desafios, com outras 8 organizações. Todas elas participam disponibilizando recursos financeiros juntamente com o Senai e bolsas para especialistas ofertadas pela Fapes. 

Inscrições pelo site. 

No endereço, ainda é possível ter acesso aos desafios do primeiro e segundo ciclos do programa, além do Radar Findeslab, uma iniciativa para estimular a Inovação Aberta. “Aqui as empresas divulgam seus desafios de inovação e propostas de solução podem ser enviadas por quaisquer empresas, estudantes, pesquisadores ou inovadores em geral, gerando oportunidade do desenvolvimento em conjunto”, destacou Iomar.

Para aqueles que buscam uma solução inovadora para sua empresa ou já são empreendedores, possuem uma ideia que precisa ser desenvolvida e pode virar solução para a indústria, também pode entrar em contato com o Findeslab. Caso necessário, também é possível agendar uma entrevista, e direcionar a proposta de forma que o hub apoie o solicitante na busca de fomento, caso se torne um projeto de inovação.

Espaço interno do Findeslab.

Planos para o futuro pós-pandemia

Iomar conta como o hub teve que se adaptar com a pandemia do novo coronavírus. “Nosso hub é caracterizado pela conexão. Densidade e diversidade são temperos essenciais para a inovação. Entretanto, foi promovido e aperfeiçoado o engajamento e interação entre nossos clientes, parceiros e fornecedores através de uma série de lives e webinars com conteúdo em nosso canal no Youtube em que até ampliou nossa rede de interação. Estamos retomando de forma responsável e criteriosa nossas ações presenciais”, disse.

Ele já adiantou os planos para o ano que vem. “Além de continuar estimulando e ampliando ações de inovação aberta e acesso da indústria à inovação, iremos ampliar nossas redes de cooperação e estimular parcerias para que mais oportunidades sejam criadas para os desafios da indústria”, finalizou.