PUBLIEDITORIAL

A Vale lançou nesta semana uma chamada ao ecossistema de inovação para encontrar soluções economicamente sustentáveis que levem conectividade ao Trem de Passageiros e às estações das duas ferrovias que opera no país: a Estrada de Ferro Carajás (EFC), que liga São Luís (MA) a Parauapebas (PA); e a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), que vai de Cariacica (ES) a Belo Horizonte. O objetivo é promover a inclusão digital dos passageiros que utilizam o serviço. As inscrições devem ser feitas pelo site até o próximo dia 30.

A chamada é destinada a startups, universidades, instituições de pesquisa e empresas que ofereçam soluções para prover infraestrutura e distribuição de rede em viagens de trem. As tecnologias selecionadas terão acesso a um programa de mentoria para aperfeiçoamento técnico e de negócios com especialistas do setor, além da oportunidade de executar testes pagos de suas soluções em parceria com a Vale.

“As soluções serão implantadas somente no caso de se mostrarem viáveis do ponto de vista técnico e econômico. Mesmo que isso não ocorra, deixaremos um legado ao acelerar soluções que podem no futuro resolver uma questão relevante para a inclusão digital das comunidades”, afirma Marcos Calderon, da equipe de inovação aberta da Vale.

Para serem contempladas no desafio, as soluções inscritas devem ser escaláveis, ou seja, ter potencial de implementação em larga escala; ser sustentáveis do ponto de vista econômico, social e ambiental; ter rápida aplicação, com tecnologia desenvolvida ou prova de conceito implementada; e ser customizáveis.

A EFC e a EFVM têm, somadas, 1.875km de extensão e atendem a quase 70 municípios, inclusive alguns que não contam com sinal regular de internet. A Vale considera que dotar os trens de conectividade criaria oportunidade para a inclusão digital dos passageiros que os utilizam, além de melhorar o nível de serviço. Já a conectividade nas estações teria efeito positivo não só sobre os passageiros, mas também sobre os moradores que as frequentam.

Inovação aberta na Vale

A Vale vem utilizando a inovação aberta para se tornar um acelerador do ecossistema de inovação. A empresa busca cocriar novas soluções de forma colaborativa, além de dar escala a resultados de negócio e criar valor compartilhado por meio da conexão com atores externos. Este ano a empresa já promoveu o Desafio Vale Covid-19, que beneficiou 600 mil pessoas ao contribuir para a redução do impacto da pandemia sobre a sociedade.

Vale e a inovação integrada

Quatro anos após criar seu Programa de Transformação Digital, a Vale adotou uma nova abordagem para o tema inovação. Com base no conceito de Inovação Integrada, o tema deixa de ser foco de áreas específicas para estar no mindset de todos os empregados. Essa nova estratégia de inovação busca garantir a segurança das pessoas, fomentar o desenvolvimento sustentável e criar novas soluções para a mineração, tendo como foco compartilhar valor com a sociedade. Para atingir esses objetivos, a empresa está impulsionando formas de trabalho ágeis, digitais e colaborativas.