Os EUA vão proibir algumas transações, downloads e atualizações no aplicativo WeChat, de propriedade chinesa, bem como do TikTok, a partir do próximo domingo, dia 20.

O secretário de comércio, Wilbur Ross, disse hoje que os Estados Unidos proibirão as transferências de dinheiro dentro do país relacionadas ao WeChat e sua controladora, Tencent Holdings Ltd. Outras medidas proibidas a partir de 20 de setembro incluem a distribuição, manutenção e atualizações do WeChat ou TikTok por meio de lojas de aplicativos.

A ordem não se aplica a operações ou transferências de dinheiro fora dos Estados Unidos, o que era uma preocupação de algumas empresas de tecnologia americanas.

“O WeChat US, para todos os efeitos práticos, será encerrado”, disse Ross na Fox Business. Os americanos ainda poderão usar o WeChat para pagamentos na China, disse ele. “O Tiktok básico permanecerá intacto até 12 de novembro”, embora os usuários não consigam acessar as atualizações na noite de domingo, disse ele.

O Departamento de Comércio também disse que o presidente permitiu o prazo até 12 de novembro para que as questões de segurança nacional apresentadas pelo TikTok da ByteDance Ltd. sejam resolvidas. Se forem, as proibições nesta ordem podem ser reconsideradas.

As restrições de comércio colocam o ônus sobre a Apple Inc. e sobre o Google, da Alphabet Inc., de excluir os aplicativos Tiktok e WeChat de suas lojas de aplicativos nos Estados Unidos até 20 de setembro. Os aplicativos serão degradados com o tempo se os usuários não conseguirem acessar às atualizações.

Apple, Google e Tencent não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

A proibição também pode afetar empresas dos EUA que permitem pagamento via WeChat. “O Partido Comunista Chinês (PCC) demonstrou os meios e motivos para usar esses aplicativos para ameaçar a segurança nacional, a política externa e a economia dos EUA”, disse o Departamento de Comércio em comunicado.

O Departamento também realizou uma série de reuniões no final de agosto com empresas e grupos de lobby que correram para descobrir o que a proibição potencial poderia significar para suas empresas, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. Algumas empresas americanas de tecnologia pressionaram o governo Trump para que continuassem a fazer negócios com a empresa chinesa por meio de suas operações na Ásia e para permitir que os cidadãos americanos usassem os aplicativos lá.

O presidente Donald Trump anunciou as restrições em 6 de agosto e disse que os detalhes viriam no final do prazo de 45 dias estabelecido no pedido inicial.

A ByteDance está negociando com a Oracle uma participação em um TikTok reconfigurado para aliviar as preocupações do presidente sobre os dados sobre os usuários americanos do aplicativo expostos à China.

Fonte: Bloomberg