Três meses de workshops, mentoria e conexão com o ecossistema de startups. Esse é o Startup SP, programa gratuito de aceleração do Sebrae-SP que está com inscrições abertas até o dia 13 de setembro, em 16 regiões do Estado de São Paulo. São 180 vagas, dez para cada turma, sendo que a capital terá três grupos. 

O 8° Ciclo do Startup SP, que será entregue totalmente digitalizado, é voltado para o desenvolvimento de startups digitais em estágio de validação do modelo de negócio. As inscrições estão abertas para as regiões de Alto Tietê, Araçatuba, Baixada Santista, Barretos, Bauru, Franca, Guaratinguetá, Guarulhos, Jundiaí, Marília, Osasco, Ourinhos, Presidente Prudente, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto e São Paulo capital (Centro, Sul e Leste I).

Além de aceitarem inscrições de startups de qualquer mercado, cinco regiões também estão buscando startups que atuam em mercados específicos, a fim de provocar sinergia com os Arranjos Produtivos Locais (APL’s) e encadeamentos produtivos regionais. São elas: Alto Tietê (agronegócio), Barretos (saúde), São Paulo (jogos digitais), Guaratinguetá (turismo) e Jundiaí (indústria de manufatura).

Os empreendedores inovadores selecionados vão participar de workshops, StartTalk’s (meetups), sessões de design sprint, e terão ainda todo o acompanhamento do negócio por meio de mentorias com especialistas do Sebrae-SP e também mentorias com parceiros, de acordo com as necessidades atuais da startup.

“Estamos no oitavo ciclo do programa e aceleramos mais de 600 startups desde 2017. Cultivamos uma rede de parceiros muito grande, que combinada com nossa rede de especialistas, resulta em uma equipe que realmente ajuda na validação do modelo de negócios e na aceleração da startup”, afirma o gestor estadual do programa, Fabio Zoppi Barrionuevo.

De acordo com pesquisa feita pelo Sebrae e Finep, o nível de inovação fez diferença na dimensão do impacto causado pela pandemia do novo coronavírus. Enquanto 87% dos pequenos negócios convencionais registraram queda de faturamento, as perdas foram menos significativas entre as startups, onde 68% delas apontaram perda de receita.

“O número crescente de pessoas querendo empreender, principalmente no meio digital, reforça a necessidade de programas voltados para os negócios inovadores. E as startups estão enfrentando melhor a crise e precisam de apoio para evoluir”, afirma Zoppi.

Seleção

Para se inscrever no programa, a startup precisa ser digital, estar em fase de validação e ter iniciado o desenvolvimento de um MVP (do inglês Minimum Viable Product ou Produto Mínimo Viável) ou estar em fase de testes. A equipe deve ter duas pessoas, no mínimo.

Depois das inscrições, uma banca avaliadora vai selecionar 20 startups por região, que participarão de uma banca de pitch para apresentar sua solução. Os critérios de seleção incluem uma avaliação do empreendedor e da equipe, do potencial de mercado e da solução proposta. As dez melhores serão selecionadas para o programa de três meses.

Mais informações no site.