A empresa de transporte por aplicativo 99 anunciou uma parceria com a área de Consultoria do Hospital Sírio-Libanês para enfrentar a covid-19 em corridas da plataforma.

O projeto prevê uma série de iniciativas e avaliações sobre o período de crise e retomada, entre elas um inédito mapa de risco contra contágio em veículos e um manual de boas práticas com dicas para diminuir a chance de contaminação no app, com foco no chamado “novo normal”. A cooperação faz parte do Pacote de Proteção da 99, que já conta com investimento de mais de R$ 32 milhões em ações contra o novo coronavírus.

Aos poucos, a rotina da população vai sendo normalizada, especialmente o retorno ao trabalho. Porém, o cenário da pandemia ainda exige muitos cuidados. Diante da projeção de retorno do deslocamento pelas cidades e a busca de carros de aplicativo para evitar transportes com aglomeração, a 99 e a Consultoria Sírio-Libanês firmaram uma parceria para avaliar os desafios presentes e projeções das possibilidades futuras.

Um dos destaques é um mapa de risco inédito que indica os locais de atenção dentro e fora do veículo. O trabalho também inclui um manual de boas práticas com dicas para as viagens na plataforma.

Confira abaixo algumas das mais importantes, selecionadas pelo Dr. André Alexandre Osmo, médico e consultor sênior do Sírio-Libanês:

Antes das corridas

– Apesar da reabertura, evite sair de casa a menos que estritamente necessário;

– Use a máscara sempre e de forma correta. Não adianta deixá-la no queixo ou com o nariz para fora;

– Não se sente no banco da frente do carro. Atrás você aumentará o distanciamento.

Durante as corridas

Se precisar ajustar a máscara, use álcool 70% nas mãos e não toque na parte da frente ou de dentro. Arrume pelos elásticos;

– Mantenha os vidros abertos durante o caminho para aumentar a circulação de ar;

– Evite contato físico e tente manter as conversas a um mínimo durante todo o trajeto.

Depois das corridas

Retire jóias/adereços e higienize as mãos com álcool lembrando de regiões como a parte de baixo das unhas;

– Ao fim da viagem, motoristas devem limpar superfícies de maior contato, como cintos e abridores;

– Na limpeza, começar pelas áreas de menor risco (banco e cinto) às de maior risco (abridores e maçanetas) para não espalhar o vírus;

– Continue cumprindo as medidas preventivas, pois o desrespeito a uma anula as demais.

Mais de 180 horas de análises

O projeto teve duração de 180 horas em que foram criados e revisados diversos materiais informativos. Os protocolos e pareceres internos e externos foram desenvolvidos com envolvimento de uma equipe multiprofissional incluindo médicos, administradores, comunicadores e engenheiros de operação.

As análises da retomada englobam não só questões sobre saúde de passageiros e motoristas, como também protocolos de reabertura das 35 Casas99, os centros de atendimento presencial que se encontram fechados. O objetivo é voltar às atividades nesses locais no momento certo, com pareceres garantindo planejamento e cuidado à medida que as cidades reabrem. As ações incluem fornecimento de informação, regras para evitar aglomerações e verificação de temperatura.

“O apoio técnico dado à 99 segue recomendações da OMS e pesquisas científicas”, diz Rafael Saad, gerente da Consultoria do Hospital Sírio-Libanês. “Ao colocar essas medidas em prática e comunicar de forma efetiva aos usuários, as chances de replicar esse comportamento para outros ambientes é muito grande e ajudará a multiplicar ainda mais esse efeito.”

Para Thiago Hipólito, diretor de Segurança da 99, o objetivo é aumentar ainda mais as iniciativas de proteção a passageiros e motoristas: “buscamos criar novas ações e aumentar a efetividade das já existentes. A parceria com a consultoria do Sírio-Libanês foi feita para nos apoiar na melhora”, afirma.

Pacote de proteção à pandemia

A parceria com a Consultoria do Hospital Sírio-Libanês faz parte de um Pacote de Proteção da 99 contra a covid-19. Até agora, o aplicativo investiu mais de R$ 32 milhões para prevenir e combater os impactos da covid-19. Desses, R$ 20 milhões são para um fundo de apoio para motoristas diagnosticados com a doença.

O conjunto de iniciativas inclui 17 bases pelo Brasil que realizam a distribuição de máscaras e álcool em gel para motoristas, além de escudos plásticos que servem de barreira física entre o condutor e o passageiro no carro. As bases realizam, ainda, sanitização veicular que reduz o risco de contaminação pelo novo coronavírus.

A empresa desenvolveu ainda tecnologias como o reconhecimento facial para verificar se o condutor está de máscara, uma segunda checagem com o passageiro de se ele(a) manteve o equipamento vestido durante a corrida, assim como a possibilidade de qualquer usuário reportar o não-uso da máscara durante as corridas da plataforma.