* Por Daniela Muniz 

São muitos os motivos que levam ao empreendedorismo, em grande maioria o desejo por qualidade de vida, voltar ao mercado de trabalho, ter maiores ganhos e liberdade. Movidas por esse desejo, começa então uma grande pesquisa de mercado para descobrir qual negócio abrir, e um longo plano de ação é criado, com base em um bom benchmarcking.

Na busca por modelos perfeitos e cases de sucesso para replicar a sua realidade, muitas vezes alguns pontos primordiais não são levados em consideração. É preciso estar atenta para o novo perfil de cliente. 

Atualmente, ter um produto ou serviço bom já não é mais o suficiente, se tornou uma obrigação e os clientes esperam muito mais do que isso. Ser diferente, agregar valor e proporcionar experiências que impactam suas vidas é fundamental para construir uma relação de sucesso.

Ser uma empreendedora diferente e de personalidade implica em olhar para dentro de si e não para fora, resgatar internamente seus valores e manter sua essência. Ter personalidade é algo muito mais profundo, é imprimir no seu produto ou serviço o seu “tempero” e alma. Justamente por serem únicos, deixarão sua marca e farão história.

Hoje, a relação com o cliente é de parceria, ele precisa sentir que você é uma aliada e não vendedora. Por isso, fique atenta aos seguintes itens e reveja sua conduta, se necessário, para atingir novos patamares.

Aja de forma estratégica: não caia na ingenuidade de copiar os produtos dos seus concorrentes melhorando o preço para ganhar mercado. Isso fará com que seja simplesmente um produto genérico. Quanto maior for sua diferenciação, personalidade e personalização, maiores serão seus ganhos e posicionamento.

– Acorde, não busque atalhos: ele não é o caminho se você quer um negócio sustentável ao longo do tempo. Uma empreendedora vazia foca apenas no dinheiro e para tal, pode vir a passar por cima de valores, pessoas e ética. Tudo que não é natural não resiste, portanto de nada adiantará criar uma missão, visão e valores institucionais para sua empresa se de fato não as viver. O cliente consegue fazer rapidamente a leitura da falta de congruência entre o que você diz ser e querer do que de fato é e isso pode levar o seu negócio ao fim, pois quebra um princípio básico chamado confiança.

– Autorresponsabilize-se: crie negócios e produtos que sejam benéficos não só para sua empresa, mas que venham a fazer a diferença no mundo a médio e longo prazo.

Empreendedoras do futuro terão um alto nível ético e moral. Focarão no autoconhecimento e desenvolverão primeiro pessoas, depois produtos e serviços, pois assim terão sensibilidade para entender seus clientes. O marketing será focado na necessidade e não na venda e por fim crescerão como empresárias, mas contribuirão na mesma proporção, com seus colaboradores, familiares e sociedade. Humanize seu negócio e esteja preparada para as mudanças, focando no que é importante para ter um crescimento consistente, sério e responsável. Boa sorte!

* Daniela Muniz é Master Coach Integral Sistêmico formada pela FCU – Florida Christian University/Febracis.