A Apple anunciou que está preparando uma série de pacotes de assinatura que permitirão aos clientes ter acesso à vários dos serviços digitais da empresa a um preço mensal mais baixo. Os pacotes, batizados de “Apple One”, devem ser lançados já em outubro junto com a próxima linha de iPhone. Os pacotes são projetados para incentivar os clientes a se inscreverem em mais serviços da Apple, o que irá gerar mais receita recorrente.

Segundo informações, um pacote básico incluirá Apple Music e Apple TV +, enquanto uma variação mais cara terá esses dois serviços e o serviço de jogos Apple Arcade. A próxima camada adicionará Apple News +, seguido por um pacote mais caro com armazenamento extra do iCloud para arquivos e fotos. Os planos da Apple e a estrutura dos pacotes podem mudar, mas o objetivo é oferecer grupos de serviços a preços mais baixos do que seriam cobrados se os consumidores assinassem cada oferta individualmente. 

A iniciativa é uma grande aposta da Apple para obter a mesma fidelidade que a Amazon conquistou com seu programa Prime, que combina frete grátis com streaming de vídeo e muitos outros serviços por uma taxa anual ou mensal. Este pacote é a base do sucesso da Amazon e já foi copiado por outras empresas antes, com resultados mistos.

A Apple não tem entrega de comércio eletrônico e rede de armazenamento como a da Amazon, no entanto, tem centenas de milhões de clientes de hardware fervorosos que já abraçaram algumas de suas assinaturas digitais. O iPhone e o iPad vão sugerir pacotes diferentes para os usuários com base nos aplicativos e serviços da Apple que eles já usam. Este recurso virá ainda este ano como parte do iOS 14, a próxima atualização de software para dispositivos da Apple.

A empresa também está desenvolvendo uma nova assinatura para aulas virtuais de ginástica que pode ser usada por meio de um aplicativo para iPhone, iPad e Apple TV. Esse serviço será oferecido em um pacote de última geração com o restante dos serviços da Apple. Com o codinome “Seymour”, o pacote de exercícios rivalizaria com as aulas virtuais oferecidas por empresas como a Peloton Interactive e a Nike, por exemplo. As ações da Peloton caíram no pré-mercado de quinta-feira após o anúncio, mas subiram cerca de 1%, para US$ 65,02, após a abertura do mercado. A Apple subiu 1,5%.

Os novos pacotes serão voltados para famílias, o que significa que funcionarão com o sistema Family Sharing da Apple, que fornece acesso a até seis pessoas para cada serviço. As ofertas são projetadas para economizar aos consumidores cerca de US$ 2 a mais de US$ 5 por mês, dependendo do pacote escolhido. Por exemplo, se uma família assina hoje todos os principais serviços da Apple mais o nível mais alto de armazenamento do iCloud, isso custaria cerca de US$ 45 por mês. Um novo pacote poderia tirar mais de US$ 5 desse valor.

Essa abordagem provavelmente será aplaudida por Wall Street, que anseia por negócios que gerem fontes de receita confiáveis. No entanto, também existe o risco de confundir os consumidores com várias opções de assinatura. Isso prejudicou o lançamento do serviço de streaming HBO Max, que foi lançado este ano junto com as ofertas existentes HBO Go e HBO Now.

A iniciativa está sendo liderada por Peter Stern, chefe de serviços de longa data da Apple. No início, a Apple não planeja integrar os pacotes com serviços como suporte AppleCare ou planos de pagamento mensal para hardware como o iPhone ou Mac. No início deste ano, como parte do Apple Card, a Apple começou a oferecer pagamentos mensais sem juros para vários de seus dispositivos.

Além dos pacotes de serviços, a Apple está planejando novos pacotes de software e hardware, incluindo dar aos compradores do decodificador da Apple TV um ano grátis do Apple Arcade. Isso se seguiria a um ano grátis de TV + oferecido para quem compra novos dispositivos Apple.

A Apple fez um teste com um pacote de assinatura no ano passado, oferecendo aos alunos acesso gratuito à TV + com uma assinatura do Apple Music, embora nunca tenha confirmado planos para um pacote abrangente para todos os seus principais serviços pagos. A empresa sinalizou a possibilidade quando incluiu uma cláusula em acordos com editores participantes do News + que dizia que o serviço poderia eventualmente ser agrupado com outros serviços.

Durante anos, analistas e investidores pediram que a Apple imitasse a abordagem Prime da Amazon. Alguns dos serviços mais recentes da Apple, incluindo News + e TV +, começaram lentamente. Ao agrupá-los com desconto com serviços mais populares, o uso e as assinaturas podem aumentar.

O segmento de serviços da Apple é uma das áreas de crescimento mais rápido da empresa e se tornou um negócio de US$ 50 bilhões por ano. Embora serviços como os de publicidade e AppleCare tenham caído nos últimos trimestres devido ao impacto da covid-19, ofertas digitais como a App Store, iCloud e produtos de vídeo bateram recordes.

Fonte: Bloomberg