* Por Fernando Ângelo

A decisão de empreender nunca é fácil e o caminho a ser percorrido menos ainda. Dificuldades e percalços estão presentes no cotidiano de todos os empreendedores, por isso, a tarefa diária de cada um deles é se reinventar e buscar evidenciar seus diferenciais em um mercado extremamente competitivo.

Segundo uma pesquisa feita pela McKinsey, 84% dos executivos acreditam que seu sucesso futuro depende de inovação. Embora a palavra possa soar como um chavão para alguns, há muitas razões pelas quais as empresas colocam muita ênfase nela, ainda mais quando ela tem um pouco de ousadia.

Além de permitir que as organizações continuem relevantes no mercado competitivo, a inovação também desempenha um papel importante no crescimento econômico. A capacidade de resolver problemas depende de novidades e, consequentemente, pode oferecer benefícios significativos, além de ser uma das habilidades críticas para alcançar o sucesso em qualquer negócio.

A inovação trouxe mudanças para as condições de mercado e movimentou indústrias tradicionais, como o transporte rodoviário ou urbano, setor de hotelaria e alimentação. Agora, imagine alguém querer buscar destaque dentro de um segmento em plena expansão e atualização como esses, que já sofreram mudanças significativas. Para conseguir esse feito, é preciso ousadia e atenção crítica em cada detalhe para transformar algo que a maioria considera já ter resolvido.

É necessário pensar fora da caixa para concorrer com grandes empresas. Mas como? Focando em transformar um problema que as outras organizações não deram a devida atenção. Nos transportes, por exemplo, cuidar bem do motorista e promover maior segurança a ele e o passageiro são fatores que martelam na cabeça das grandes empresas de aplicativo, mas que não têm a devida atenção.

O Estado de São Paulo registrou 4.007 assaltos a motoristas de aplicativos de transporte de passageiros entre janeiro e setembro de 2019. O número superou o registrado de 2018, quando houve 2.223 casos – alta de 80,2%. Por outro lado, ainda em 2019, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística mostrou que apps de entrega e de transporte já se tornaram o maior “empregador” do Brasil.

Nesse sentido, com tantas pessoas precisando trabalhar como motoristas de aplicativo mesmo em um período em que a segurança e a desvalorização da profissão eram constantes, por que não olhar com cuidado para essas problemáticas do setor para transformar o trabalho desses profissionais, e ainda trazer mais credibilidade para a empresa do app?

Esse tipo de processo precisa de muita ousadia, é necessário entender ponto a ponto o que se pode fazer para mudar o que já existe, ou melhor, não só mudar, como melhorar. Pensar em detalhes como: o que o outro não tem e que eu posso ter? Quais são os principais problemas? O que fazer para transformar isso? E, então, remodelar alguns processos.

Frequentemente, começar é a parte mais difícil, pois há muitas maneiras de abordar a inovação. Mas enquanto isso, aprendemos que nós mesmos somos responsáveis por encontrar maneiras de fazer melhorias em nossa própria esfera de influência. Deve-se começar pequeno e escolher seu foco, pois é impossível conseguir tudo de uma vez.

Pequenas melhorias acabam levando a ideias maiores que podem um dia se tornar revolucionárias. Enquanto isso, no entanto, você é responsável por encontrar maneiras de fazer o melhor em sua própria esfera de influência.

* Fernando Ângelo é CEO da SITY INC e empreendedor com mais de dez anos de experiência nas áreas de logística e tecnologia.