Sabemos que empreender não é uma tarefa fácil, principalmente em startups, iniciativa que traz a inovação como principal componente de seu DNA. Em universo único, que conta até com uma linguagem própria, a jornada se torna ainda mais peculiar.

Entre unicórnios, pitchs, aportesexits, neste ecossistema não basta apenas ter um bom produto ou serviço, é preciso planejar cada passo do negócio, principalmente no início, onde uma falha pode levar a perdas financeiras e até ao fracasso de uma boa ideia.

Buscando ampliar as possibilidades de sucesso, Fabiany Lima, diretora-geral da DiliMatch – consultoria estratégica que facilita todo o processo de busca, negociação e fechamento de contrato entre investidores e startups – enumerou algumas dicas importantes para esses empreendedores. Confira!

Invista em validação e/ou prototipação: com uma ideia em mente, é preciso, antes de qualquer movimento, entender se há uma demanda para a qual sua solução responderá, ou seja, se há uma dor para aquele remédio. Entendendo esse ponto, recomenda-se criar um protótipo do produto ou um pacote básico do serviço e disponibilizá-los para experimentação de possíveis clientes.

Defina o modelo de negócios: esse é um passo indispensável para qualquer negócio pois determina a forma como será estruturada a sua marca, quem será seu público-alvo, possíveis fornecedores e parceiros, fontes de receita, canais de venda, entre outros pontos estratégicos para o sucesso da sua startup.

Selecione o time e pontue responsabilidades: selecione cada membro da equipe com base em competências, personalidade e experiências anteriores, indo além do que diz o currículo. Além disso, defina bem a função de cada pessoa, para que todos saibam claramente seus papéis, responsabilidades e sua importância para o crescimento da empresa.

Atenha-se a organização administrativa: oficializar o negócio e formalizar administrativamente, desde os primeiros dias, é o caminho para livrar-se de problemas. Além disso, ter todo o histórico financeiro, com despesas e receitas bem detalhadas, te ajudará a definir estratégias para crescer de acordo com o caixa disponível e, no futuro, facilitará os trâmites durante a captação de investimentos.

Classifique KPIs: sigla para o termo em inglês key performance indicator (ou indicador-chave de desempenho), esse ponto é essencial para definir objetivos claros e medir a performance dos processos internos. Sem os indicadores, a organização fica baseada em “achismos”, ficando a mercê da sorte. Não caia nessa roubada!

Utilize roadmaps: usados para organizar as metas de desenvolvimento e expansão, os roadmaps nos mostram em que ponto sua startup está, para onde está indo e quais são os próximos passos – sejam eles, uma possível expansão, lançamento de novo produto ou solução, captação de investimentos, entre outros.

Tenha uma cultura e missão definidos: por fim, mas não menos importante, é preciso definir e divulgar corretamente a cultura e a missão da empresa, tanto interna quanto externamente, questões que influenciarão diretamente na retenção de talentos e, até mesmo, na conquista de clientes.