Como o Seis Sigma proporciona uma gestão rumo à alta produtividade

* Por Thiago Coutinho

O Seis Sigma é uma metodologia de gestão focada em melhoria contínua que potencializa os ganhos de uma empresa promovendo profundas análises de dados com foco em aumentar a produtividade e a qualidade dos produtos e serviços prestados e reduzir a variabilidade da produção.

Devido à essas características e a um número cada vez maior de grandes empresas que alavancaram os seus resultados após aderir à metodologia, a mesma vêm recebendo cada vez mais atenção e, principalmente em períodos de crise como o que estamos passando, está com todos os holofotes sobre ela.

A metodologia inteira gira muito em torno do Método DMAIC. Para entender o que ele é e como seguir suas etapas pode guiar a sua empresa para a alta produtividade, continue comigo neste artigo!

O Método DMAIC vai guiá-lo

O nome DMAIC nada mais é que uma sigla para as iniciais das palavras que definem cada etapa de sua realização. Cada etapa tem uma função crucial na implementação da metodologia que vai otimizar algum processo a ser definido.

Vamos entender quais são estas etapas? Veja a seguir:

Definição do objetivo do projeto

A primeira etapa visa justamente a definição do objetivo do projeto a ser executado. Ao avaliarmos o problema a ser resolvido, é necessário ter em mente todos processos que o envolvem, com clareza.

Sendo assim, para definir o seu objetivo, busque responder:

– Qual problema buscamos resolver?

– Quem ou o que está sendo afetado por este problema? 

– Qual a melhoria visada com a resolução do problema?

Para ajudá-lo nessa etapa, algumas ferramentas podem ser muito úteis. Entre elas temos: SIPOC; Escopo do Projeto; Mapa de Raciocínio; e VOC.

Medir dados do histórico do processo

Na segunda etapa, o objetivo é mensurar todos os dados e informações pertinentes ao processo a ser melhorado, para entender como estão as coisas no momento atual.

As perguntas que devem te guiar aqui são:

– Em que estado o processo se encontra?

– Os dados levantados são confiáveis?

– Como os dados históricos se comportam?

– Quais as fontes de variabilidade de resultados?

Existem também ferramentas para tornar esta etapa mais simples de ser executada. Entre elas: o Histograma; o Diagrama de Ishikawa (Espinha de Peixe); o Mapa de Processo; e a Matriz Esforço x Impacto.

Análise dos dados medidos

Na terceira etapa são feitas análises profundas dos dados medidos na etapa anterior. Deve-se buscar conhecer as causas raiz que afetam o processo significamente e causam variabilidade no objetivo definido ou no resultado de interesse.

Nesta etapa responda:

– Quais causas raiz melhoram o resultado de interesse caso sejam sanadas?

– Quais causas raiz a análise de risco levanta?

– Quais causas raiz são identificadas com gráficos básicos?

– Quais causas raiz são identificadas com a análise estatística?

Para auxiliar nesta etapa, você pode utilizar: o Diagrama de Dispersão; o FMEA; a Regressão Linear; e o Teste de Hipóteses.

Improve, ou no bom português: Melhoria da causa raiz

A melhoria de processos é uma etapa importantíssima e a chave de todo o DMAIC, é o que leva o seu processo para uma próxima fase. Aqui deve-se propor, priorizar, testar e executar possíveis soluções para a causa raíz.

Sendo assim, busque responder:

– Quais são as possíveis melhorias a se aplicar?

– Todas as melhorias idealizadas são implementáveis?

– Entre as melhorias propostas, qual é a melhor?

– A melhoria escolhida trará algum efeito colateral?

– Quais resultados financeiros o plano traçado trará?

Controle dos resultados obtidos

Na última etapa do método DMAIC, deve-se monitorar os resultados obtidos com as melhorias implementadas na etapa e nos ciclos de melhorias anteriores, visando a sustentabilidade dos resultados atingidos.

As perguntas que você deve fazer, antes de finalizar este ciclo do DMAIC, são:

– Os resultados esperados foram atingidos?

– Quais controles devem ser realizados para manter as melhorias alcançadas?

– Quem será o responsável pelo processo em questão acompanhando-o de perto?

A ferramentas que o ajudarão serão: as Cartas de Controle; o Poka Yoke; e o POP.

O Seis Sigma como controle de qualidade

Sabe-se que, ao buscar alavancar a produtividade de uma empresa, um grande inimigo é o número de peças defeituosas, retrabalhos, peças fora do nível mínimo aceitável e perdas totais, advindas de erros durante a fabricação.

Para avaliar a efetividade dos processos de uma empresa neste quesito, utiliza-se o conceito de 6 Sigma como métrica de efetividade da produção. Avalia-se um processo produtivo de acordo com a quantidade de erros e falhas por milhão de itens produzidos. Funciona da seguinte maneira:

– 1,0 Sigma: 30,85% de conformidade691.463 defeitos por milhão;

– 1,5 Sigma: 50% de conformidade500.000 defeitos por milhão;

– 2,0 Sigma: 69,15% de conformidade  – 308.537 defeitos por milhão;

– 3,0 Sigma: 93,32% de conformidade66.807 defeitos por milhão;

– 4,0 Sigma: 99,38% de conformidade 6.210 defeitos por milhão;

– 5,0 Sigma: 99,97% de conformidade – 233 defeitos por milhão;

– 6,0 Sigma: 99,99966% de conformidade – 3,4 defeitos por milhão.

Agora, algo importante para se atentar é que, nem sempre buscar o nível 6 Sigma será indicado para o seu caso. Existem aplicações onde níveis mais baixos de qualidade Sigma são suficientes e aumentar o nível, acaba saindo caro demais e tornando o processo inviável. Por isso estude o caso em questão e o nível adequado para ele.

Sabe por que o Seis sigma proporciona a alta produtividade?

O Seis Sigma proporciona diversos benefícios para todos os setores da empresa. Seja ela uma indústria, uma linha de produção, uma manufatura, ou não.

É isso mesmo! Por incrível que pareça, o Seis Sigma, apesar de ter nascido na indústria, foi adaptado para funcionar nos mais diferentes ramos e vêm sendo validado pelas mais diversas empresas nos dias atuais.

A Metodologia estrutura um sistema iterativo de melhoria contínua de todos os processos e setores de uma empresa, melhorando desde a efetividade do RH até o rendimento e produtividade da linha de produção.

Tudo depende apenas do objetivo, definido na primeira etapa, para ser executado durante o DMAIC.

Além disso, visando o aumento do lucro da empresa, muitos projetos Seis Sigma são voltados à redução dos custos e desperdícios e aumento do faturamento total do empreendimento. Outro ponto que contribui para o aumento da produtividade da empresa.

Outros benefícios trazidos pelo Seis Sigma que trarão um impacto positivo na produtividade da sua empresa são um acréscimo gigantesco no engajamento das equipes pertinentes a área de aplicação do projeto e a melhoria na satisfação do cliente.

Se você se interessou e quer saber mais sobre Seis Sigma, saiba que para começar o seu aprendizado na Metodologia Lean Seis Sigma (a junção do Seis Sigma abordado até aqui com o Lean Manufacturing) é muito simples!

Basta iniciar o seu curso completamente gratuito de White Belt em Lean Seis Sigma, a primeira formação da metodologia.


Thiago CoutinhoThiago Coutinho é fundador do Grupo Voitto, formado em Engenharia de Produção, pós-graduado em estatística e mestre em administração pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Especialista Black Belt em Lean Six Sigma, foi selecionado no Programa Promessas Endeavor, tendo a oportunidade de receber valiosas mentorias para aceleração de seus negócios. Atualmente é mentor de empresas e se dedica a frente executiva da Voitto, carregando com seu time a visão de ser a maior e melhor escola online de gestão do Brasil.

Espaço Exclusivo para Empreendedores transmitirem conhecimento, desafios e experiências sobre aceleração, captação de investimentos, planejamento de marketing, escalabilidade, feiras e missões comerciais, internacionalização; know how sobre modelagem de negócios, mentoria, MVP, pivotagem, relação com investidores, com sócios, com clientes…e muito mais!

Matérias Relacionadas

No comments yet. You should be kind and add one!

Our apologies, you must be logged in to post a comment.