Uma plataforma que permite que consumidores agendem o atendimento nas lojas que pretendem visitar acaba de ser lançada em Santa Catarina, com apoio da Prefeitura de São José, cidade da Grande Florianópolis onde o projeto foi criado. O Agendaki é uma ferramenta gratuita e fácil de usar, que permite que lojistas e clientes combinem um horário específico para o atendimento, evitando aglomerações dentro da loja e possíveis filas na parte de fora dela.

Outra funcionalidade que vai estrear nos próximos dias é um botão que encaminha a conversa para o WhatsApp – assim, o lojista pode apresentar os produtos antes de o cliente se dirigir à loja.

“Neste momento no qual estamos vivendo por conta da pandemia da covid-19, a inovação tem um papel importante na busca de soluções para atender novas demandas da população. O comércio de forma em geral deverá se adaptar para as novas exigências decretadas. Neste sentido, a ferramenta inovadora Agendaki vem atender essas necessidades”, defende Waldemar Bornhausen Neto, Secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação de São José.

O Agendaki foi desenvolvido por uma startup catarinense em parceria com a pré-incubadora Cocreation Lab de São José. O uso da plataforma é simples: basta o lojista se cadastrar gratuitamente e preencher um formulário com algumas especificações, como área da loja. Isso porque há uma recomendação de número máximo de clientes por fração de tempo. A fração de tempo poderá ser incluída pelo próprio comerciante, baseada no período médio que os clientes costumam ficar dentro da loja. Para os clientes, vai aparecer a informação de quantas pessoas podem ser atendidas no local a cada período.

“Os estabelecimentos devem controlar a quantidade de pessoas que estão lá dentro, mas quem fica impedido de entrar acaba gerando aglomeração na parte externa. Queremos ajudar a evitar perda de tempo e situações de risco à saúde”, explica Thaís Cardoso, uma das idealizadoras.

Para Luiz Salomão Ribas Gomez, fundador do Cocreation Lab, Santa Catarina sai na frente com iniciativas inovadoras como esta. “A economia criativa é uma vocação do estado, que tem terreno fértil para que projetos como o Agendaki se desenvolvam. A crise traz desafios, mas também oportunidades para que empreendedores ofereçam soluções que possam auxiliar diversos setores”, comenta.

Entidades destacam a importância de ferramentas inovadoras nesse momento de retomada do comércio

A ferramenta tem apoio da Fecomércio SC, que vai atuar na divulgação junto aos lojistasPara Renato da Silva Barcellos, superintendente da Fecomércio SC, a pandemia trouxe novos desafios aos comerciantes, e a inovação tecnológica será importante na busca por soluções.

“Diante do cenário que estamos enfrentando desde o primeiro caso da covid-19 no Estado, o setor de comércio e serviços se viu diante de um desafio inesperado e urgente, tendo que repensar os seus conceitos de relacionamento com o cliente. Se antes pensávamos nas melhores formas de atendimento, prospecção e fidelização de clientes, hoje passamos a ter uma preocupação ainda maior com o fator da segurança em saúde. A inovação tecnológica desempenhará um papel fundamental em trazer ferramentas para essa nova realidade”, comenta.

O Agendaki será adaptado às regras de cada cidade e às recomendações das autoridades para preservação da saúde. Em São José, por exemplo, as lojas do comércio de rua devem limitar a ocupação em 50% da capacidade. O uso de máscaras também é obrigatório. Lojistas de Florianópolis, Itajaí, Balneário Camboriú, Blumenau e Jaraguá do Sul também participaram da fase de testes e atualmente a plataforma já está aberta para cadastro de lojistas e consumidores de toda Santa Catarina.

Roberto Alexandre Carmes, proprietário da Bernunça Pratas junto da esposa, participou da fase de testes da plataforma e acredita que a ferramenta é um importante apoio para pequenos negócios neste momento de retomada.

“Uma plataforma que permite esse tipo de agendamento só tem a ampliar os serviços nas lojas pequenas. É como em um consultório médico: você tem um horário agendado e é atendimento rapidamente. As pessoas valorizam seu tempo. E para o comerciante é uma possibilidade de gerar negócio. Como temos uma limitação de uso do espaço físico, é uma maneira de organizar o atendimento e se preparar para o futuro, já que as regras podem se tornar mais rígidas se houver um avanço da pandemia”, acredita.

Ele, que também é presidente do sindicato do comércio varejista de São José e vice-presidente da CDL do município, destaca que a maioria das lojas da cidade da Grande Florianópolis são pequenas ou familiares. Por isso, defende que os comerciantes se atualizem e aproveitem as tecnologias disponíveis para se manterem relevantes no mercado:

“Sempre apoiamos a transformação digital. As empresas, principalmente as pequenas, devem começar a observar as novas plataformas para ampliar suas atividades, seja utilizando o Agendaki, fazendo vendas por WhatsApp ou divulgação nas redes sociais”, finaliza.

Márcio Carneiro Cavalcanti, diretor de Indústria da AEMFLO e CDL São José, concorda que o atual momento é propício para uma atualização. “Hoje estamos numa ruptura de processos, em constante mudança. A pandemia nos trouxe uma oportunidade de abraçar novos canais. É um cenário que vai se permanecer por muito tempo e conforme aprendermos a conviver melhor com essa situação, respeitando os limites e com proteção, todos esses processos vão virar rotina. O hábito do consumidor vai mudar”, completa.