* Por Daniel Bilbao

Roubo de identidade e fraude – assim como as doenças – não discriminam. Sua classe social, raça, idade, religião ou filiação política é geralmente (mas nem sempre) irrelevante para quem comete esse tipo de crime. Uma análise de Daniel Bilbao, co-fundador e CEO da Truora.

Existe uma crença falsa: o que importa é o tamanho da sua conta bancária ou o valor dos seus ativos. Não é assim. Não importa se você é Barack Obama, Papa Francisco, se é estudante universitário, trabalha em uma estação de serviço ou em uma multinacional. Se você está vivo ou mesmo morto, é provável que sua identidade seja roubada.

Infelizmente, há cada vez mais e mais pessoas “fraudulentas” sem que você perceba: elas usam seu nome sem permissão, esvaziam suas contas, compram a passagem para Paris que você nunca se permitiu comprar, votam nas eleições presidenciais por você, criam uma nova linha de telefone celular ou um contrato de arrendamento ou cartão de crédito. Os ladrões de identidade são tão silenciosos que passam despercebidos, quebram barreiras de segurança em bancos, lojas, online e offline e em organizações de todos os tipos.

Estima-se que dez milhões de pessoas são vítimas de roubo de identidade nos Estados Unidos a cada ano (Your Evil Twin, do autor Bob Sullivan). Na Colômbia, não existem estudos suficientes para determinar qual porcentagem da população foi vítima desse crime, mas somente em 2018, mais de 12.000 denúncias foram registradas. Isso sem contar todas as pessoas que ainda não sabem que sua identidade foi roubada. Porque ladrões fazem maravilhas para ficar fora do radar da lei.

Ladrões são artistas

Eles são criativos, engenhosos, recursivos e evocam emoções em suas vítimas. Essas emoções, ao contrário de muitos artistas, nunca são positivas. Não conheço uma vítima que não sentiu impotência, frustração, raiva ou aquela sensação única de sentir enganado.

Com esta frase, não quero absolver os ladrões. Pelo contrário, quero condenar o fato de que eles canalizam sua criatividade para tirar vantagem de pessoas desprevenidas e inocentes. Sempre me surpreendo com as manhas e truques que eles fazem para roubar informações.

Aprendendo a árvore genealógica de suas vítimas para extrair seus dados pessoais, perseguindo-os e assediando-os para reconstruir suas rotinas, clonar suas cédulas de identidade e cartões de crédito e outras acrobacias dignas de um filme de Hollywood. É aterrorizante o quanto esses ladrões sabem de suas vítimas e os extremos a que chegam para enganá-las, fazer-se passar por elas e finalmente esvaziar suas contas.

E mesmo tomando conhecimento de cada vez mais novos recursos de fraude, meu sentimento é sempre o mesmo: indignação.

A tecnologia que ajudará a identificar esses casos

A boa notícia é que os avanços tecnológicos criados para combater esse problema são fascinantes. Existe uma rede de empresas quase futuristas que trabalha incansavelmente para entender o perfil daqueles que roubam a identidade de outras pessoas e cometem fraudes, entender também o comportamento das vítimas e, assim, geram uma fórmula vencedora para verificar a identidade das pessoas.

Inteligência artificial

Mastercard é um dos meus exemplos favoritos. Sua empresa, NuData, faz um estudo detalhado do comportamento humano para detectar se as pessoas que acessam seus produtos e serviços são quem dizem ser. Por outro lado, a Visa possui a Visa Advanced Authorization, outra iniciativa de inteligência artificial que analisa até 500 atributos por transação, desde o valor gasto, a hora do dia e o local da transação para prever se a compra é do mesmo usuário.

– Behavioral analytics (Análise comportamental) – O tipo de navegador usado, velocidade da Internet, tempo de sessão em uma página são indicadores importantes sobre se alguém está cometendo fraude online.

– Biometria ativa – O reconhecimento facial, de íris e impressões digitais são algumas das tecnologias existentes para verificar a identidade das pessoas, com uma precisão de 99,9%.

– Biometria passiva – Na minha opinião, a mais fascinante. Ele permite que você reconheça pessoas com informações exclusivas sobre seu comportamento, como velocidade de digitação, ângulo em que segura o telefone celular ou pressão com que toca na tela.

Graças aos esforços de empresas como as mencionadas aqui e, claro, à Truora, a empresa que administro, o panorama é muito mais animador. Enquanto existirem os recursos e a vontade de investir em tecnologia antifraude, somos nós que enganaremos os ladrões, e não o contrário.


danielbilbaoDaniel Bilbao é o cofundador e CEO da Truora, uma startup de tecnologia da América Latina que busca evitar fraudes na região. Ele é um investidor anjo, membro do conselho da Frubana e embaixador da Innpulsa no Vale do Silício.