* Por André Freitas

O elemento mais importante para uma empresa que está começando é ter clientes.  Um, poucos ou muitos: quanto mais melhor! Ter clientes significa que seu produto faz sentido financeiro para uma terceira pessoa. Sua clientela é que trará uma base sólida para você desenvolver seu negócio e fará com que você ganhe recursos para investir, opiniões sobre os rumos estratégicos, preço, além de informações sobre o mercado e melhorias eventuais do seu produto.

Finalmente, você vai ter alguém desapegado te falando o que funciona bem, o que funciona mal e o que falta. Esse direcionamento é fundamental para crescer e conquistar ainda mais pessoas. Afinal, é o ciclo vicioso de atrair cada vez mais clientes que acelera o amadurecimento de uma empresa.

Mentores são incríveis e certamente uma excelente ferramenta para iniciantes. Mas é no relacionamento comercial, no dia a dia com seu consumidor, que você vai aprender, vai apanhar e querer desistir, mas no fim, é esse processo que vai te ajudar, e muito, no amadurecimento em todos os aspectos: profissional, do produto e do negócio como um todo. Com a experiência de ter o primeiro cliente, você aprende sobre negociação, relacionamento profissional, relacionamento comercial e irá receber feedbacks positivos e negativos.

Conheço excelentes profissionais que se aventuraram no mundo de startups. A fase de conquista dos primeiros clientes é a mais difícil para se adaptar. São inúmeras vindas de um mundo corporativo com produtos testados ao extremo, focus groups, engenheiros e marqueteiros pensando juntos.

A receita é o bônus. Você não acreditará que seu cliente, além de proporcionar toda essa troca, ainda te paga para usar seu produto. Use a receita para investir em conquistar ainda mais pessoas e melhorar o que lhes foi oferecido baseado no feedback recebido. Essa injeção de capital ajuda a você a manter o crescimento sem abrir não da autonomia.

Autonomia é um ativo subvalorizado nesse mundo de startups e é fundamental para você crescer como quiser, da forma como acredita, com o feedback dos clientes.  Muitas vezes, renunciar a isso se faz necessário, mas ter poder absoluto sobre o rumo do negócio nessa fase inicial é muito importante.

Portanto, ter clientes na carteira é ter aprovação do mercado, é ter a certeza de que você está no caminho certo. É como ver seu filho brincar no parquinho pela primeira vez.  Ele vai se dar bem com alguns colegas, outros vão jogar areia nele, ele vai rir, vai no balanço, vai se sujar, vai brincar e se divertir muito. Vai cair e levantar, mas no final, ele vai aprender muito e ainda vai querer voltar no dia seguinte.


André Freitas é sócio e diretor da Cazamba, empresa de tecnologia em mídia que permite marcas engajarem com seus consumidores