Na última semana, recebemos o contato de Alessandra Lippel, Diretora Criativa, especialista em futuro do trabalho e prototipagem rápida de projetos, fundadora da Limão ou Limonada.

Ela esteve em Los Angeles e visitando um supermercado, encontrou uma máquina “tipo uma vending machine” de água a granel. Basicamente funciona assim: você leva seu galão ou garrafa e se “abastece” na máquina.

Segundo um estudo do Greenpeace, são vendidos todos os anos mais de 2 milhões de toneladas de garrafas de plástico apenas de refrigerantes, sendo que apenas 6,6% destas são feitas de plástico reciclado. Estima-se que em todo o mundo sejam compradas 1 milhão de garrafas de plástico por minuto e que este número aumente 20% até 2021.

No Brasil, a vending machine também já é uma realidade como o caso da Purificatta, empresa do Rio Grande do Sul, gerida pelo empreendedor Rafael Souza, que estudou Comércio Exterior e Cinema, mas trabalhou com Vendas e Gestão Comercial desde os 16 anos, em parceria com o Engenheiro Vinicius Segatt.

Em entrevista ao STARTUPI, ele conta que a ideia da Purificatta surgiu de uma necessidade quando um dos fundadores da empresa morou nos Estados Unidos e acabou tendo uma crise de cálculo renal.

A médica que o atendeu sugeriu que ele evitasse alimentos e líquidos sobrecarregados com sais e minerais pesados, como sódio em excesso, por exemplo. Foi assim que ele acabou descobrindo as máquinas de água, que são extremamente comuns e já contam com mais de 30 mil unidades espalhadas só pelo território norte-americano. Elas estão presentes em supermercados, empresas,  shoppings, hotéis, condomínios e postos de combustível.

Ao retornar ao Brasil, ele trouxe a ideia e apresentou para seus sócios, que adaptaram as funcionalidades da máquina e o sistema de filtragem  para o mercado brasileiro e a operação da Purificatta então começou.

“Nos impressionou a capacidade que a máquina tinha de extrair tudo que era desnecessário da água, deixando o que é importante para o corpo e privilegiando a isenção total de gosto, cheiro e cor. Foi a coisa mais leve que eu já bebi na minha vida. Nunca vou esquecer a sensação que tive quando bebi aquela água pela primeira vez. Era água na sua forma mais pura”, comenta Rafael.

Este ano foi produzido um mapa com os dados de controle do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), ligado ao Ministério da Saúde. A ferramenta permite que qualquer brasileiro possa consultar se agrotóxicos foram detectados de 2014 a 2017 na água que sai da torneira da sua cidade.

Os dados do Ministério da Saúde demonstraram que milhares de cidades encontraram vestígios de agrotóxicos na água em medições realizadas neste período. Embora a maioria dos testes revelasse concentração dentro dos limites permitidos pela lei brasileira, em diversos casos esses níveis estiveram acima do que é considerado seguro no Brasil.

Como funciona?

A Instalação da máquina é super simples. Suas medidas são: 2 metros de  altura, 1 metro de largura e 1 metro de profundidade, semelhante à uma geladeira grande. Geralmente ela é descarregada direto no local onde será instalada e precisa apenas de um ponto de água, energia e esgoto pluvial,  parecido como instalar uma máquina de lavar.

Com tecnologia americana, o sistema é composto por cinco estágios de filtragem e um de esterilização, garantindo água com até 90% menos sódio, mais leve, livre de cor, odores e sabor. Além disso, eles possuem um sistema de filtragem capaz de remover em até 99,9% os agrotóxicos presentes na água (segundo ensaios realizados no laboratório NSF Internacional, de reconhecimento mundial).

Para quem mora em um condomínio, por exemplo, o residencial pode pagar um aluguel fixo mensal e os moradores usam a máquina de forma ilimitada. Ela também existe como uma vending machine onde o cliente vai até a máquina e paga para ela, a quantidade de litros que quiser, usando moedas, dinheiro ou cartão de credito.

“Nosso publico é todo mundo que precisa beber água. Parece abrangente…e é! Pessoas de todas as idades, classes sociais e crenças hoje reabastecem seus recipientes na máquina, claro que para alguns públicos específicos temos uma penetração maior de mercado, e uma facilidade maior de conversão. Gente que costumava comprar uma garrafa de água e depois jogar fora e comprar outra e assim encher a natureza de plastico, passou a reutilizá-los em  uma máquina Purificatta. Pessoas que querem água de alta qualidade e quem quer pagar mais barato”, destaca Rafael.

Hoje eles são líderes nacionais na fabricação e operação de máquinas automáticas de vendas de água. O Rio Grande do Sul é sua maior operação, eles atendem toda Grande Porto Alegre, Serra Gaucha, Litoral, Pelotas, Santa Maria, Passo Fundo e claro, Marau, onde fica a sede da empresa.

Em Santa Catarina a empresa atendem toda Grande Florianópolis, Camboriú, Criciúma, Blumenau, Chapecó e Joinville. Também atuamos nas cidades de Curitiba, toda Grande São Paulo, ABC Paulista, Campinas, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Luis do Maranhão, Belém do Pará, Cuiabá e Aracaju.

Eles atendem condomínios residenciais e comerciais, geralmente acima de 60 unidades e já está presente em 10 estados. Além de empresas que costumam comprar água para os funcionários beber, órgãos públicos, como o Detran, que só em uma unidade economiza mais de 15 mil por mês em compra de água e redes de supermercados no Rio Grande do Sul, como Comercial Zaffari, Asun e Unidasul.

“Atualmente ultrapassamos o número de 50 mil famílias mensalmente consumidoras de forma recorrente da máquina Purificatta. São mais de 80 mil embalagens plásticas de 5 litros que são reutilizadas nas máquinas mensalmente, deixando de serem descartadas na natureza, e esse ano passamos de 350 máquinas em operação”, finaliza Rafael.