Há alguns anos, viajar de avião deixou de ser privilégio de poucos para se tornar realidade para milhões de brasileiros, especialmente para as classes C, D e E. Para democratizar o acesso a realização de sonhos, nasceu em 2009 a plataforma Vai Voando, empresa do grupo Grupo Flytour.

A empresa foi pioneira no Brasil em oferecer para o mercado de transporte aéreo, hotel, rodoviário, pacotes e ingressos nacionais os benefícios do sistema de compra pré-paga. Pela plataforma, os clientes não precisam sequer ser bancarizados: a empresa ajuda o passageiro a se programar e adquirir  passagens aéreas em parcelas de até 12 vezes no carnê.

Hoje, 21% na classe C e 42% na classe D não possuem contas em banco. Luiz Andreaza, diretor da empresa, diz que “essa parcela da população, antes esquecida pelo mercado, agora atrai os olhares das empresas, por seu grande volume, e principalmente por algumas características do público, como por exemplo, a recompra. Lidamos com um cliente, que antes era descriminado e negado, ao se encontrar com uma empresa como a Vai Voando, que desenvolve meios para que ele tenha acesso ao que antes era impossível, existe uma conexão muito forte, e esse vínculo o fará além de comprar novamente, compartilhar com todos ao seu redor a sua conquista.”

“O cliente escolhe o seu destino, a data da viagem e como quer pagar. Quanto maior a antecedência da viagem, em mais vezes ele pode parcelar e menor será o valor das parcelas. Por exemplo: se a viagem for daqui 8 meses, e estiver comprando hoje, poderá parcelar em até 8 vezes no carnê. Depois, é só efetuar o pagamento da primeira parcela e, assim, ativar seu contrato. Daí pra frente é só ele pagar as parcelas em dia e arrumar as malas”, explica Luiz .

A plataforma

Ao longo da década, a Vai Voando já embarcou mais de 750 mil brasileiros, com um ticket médio de R$1.200 por viagem. “Temos uma forte atuação em favelas e comunidades. É um público ativo economicamente, mas que até então não tinha oportunidades para comprar produtos turísticos”, explica Luiz. Entre os principais destinos procurados pela plataforma estão Fortaleza (CE), Recife (PE), João Pessoa (PB) e Salvador (BA), partindo de Manaus (AM), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

Caso um cliente não consiga, por qualquer motivo, continuar a pagar os carnês para a tão desejada viagem, a Vai Voando devolve uma parcela do valor já investido. “Caso o bilhete ainda não tenha sido emitido, haverá uma cobrança de taxa de administração de até 15% sobre o valor do plano, e o valor devolvido será de acordo com a tabela de devolução. Após a emissão do bilhete, será reembolsado 50% do valor pago, e neste caso, em até 90 dias”, afirma Luiz.

Realidade Virtual

Assim como outras startups do setor, a Vai Voando também abusa da tecnologia para garantir a melhor experiência para o passageiro. Luiz explica que a maioria dos clientes da empresa nunca voou de avião, outros sequer entraram em um aeroporto, por isso, a empresa oferece “visitas guiadas” através de realidade virtual em seus PDVs. “Nosso objetivo é que essas pessoas possam, inclusive, viajar sem sair do local, iniciar o sonho da viagem virtualmente e saber como proceder desde o check-in, até o desembarque e conhecer um destino e seus pontos turísticos.”

Para ele, 0 objetivo é fazer com que no momento da compra o cliente utilize os óculos e vivencie o momento do check in, passando pelo Raio-X, conhecendo a área de embarque, a aeronave, localizando sua mala na esteira de bagagem e, por fim, conhecendo um pouco de um destino, que, inicialmente será o Rio de Janeiro e São Paulo, mas em breve serão incluídos novos lugares como Belo Horizonte e destinos do Nordeste. “Desmistificar a realidade virtual também é um dos motes da iniciativa inovadora, uma vez que a Vai Voando tem forte presença em favelas e comunidades das principais capitais do país. A realidade virtual é o assunto do momento, porém não são todos que têm acesso. Nossa ideia é quebrar paradigmas, de modo que o nosso público possa se aproximar dessa tecnologia.”

Ano novo para a Vai Voando

Em 2019 a Vai Voando adotou o modelo de franquias e, por isso, para 2020 o objetivo da empresa é se tornar uma rede 100% franqueada, uma vez que, atualmente, muitos revendedores da empresa ainda são licenciados.

Além disso, Luiz acredita que o próximo ano será de grandes conquistas para este mercado. “Acreditamos que 2020 será um ano de retomada na economia brasileira, e principalmente de crescimento na indústria do turismo. Isso gera, portanto, grandes oportunidades para pequenas empresas, e novos negócios disruptivos se sobressaírem, ganharem mercado e contarem com os olhares de bons investidores. Além disso, o avanço da tecnologia e a facilidade de comunicação pelas redes sociais, tem papel fundamental para um cenário positivo, pois qualquer negócio ainda que pequeno, pode conquistar grandes resultados aplicando estratégias que não requerem recursos exorbitantes.”