* Por Daniela Muniz

Recentemente, em um evento para empreendedores, tive a oportunidade de me apresentar para uma empreendedora do ramo de confecção. Ela relatou que tinha 45 funcionários e no momento havia apenas uma. Em tom de admiração, disse a ela que estava feliz por decidir aprender com seus erros e estar ali. Em tom muito agressivo respondeu que isso era um absurdo, o que fez ela perder todos os funcionários foi o mercado, a crise, que está fechando muitas empresas e se afastou furiosa.

Diante desse cenário, algumas reflexões devem ser feitas por você empreendedora. 1) Será que de fato foi a crise que fez com que essa empreendedora voltasse ao zero com apenas uma funcionária? 2) O que leva, em tempos de crise, algumas empresas dobrarem seus faturamentos enquanto outras fecham suas portas? 3) O quanto você tem inovado com seu produto ou serviço? 4) A sua forma de se relacionar com as pessoas tem aberto ou fechado portas? 5) Você é autorresponsável?

A ciência nos traz que autorresponsabilidade é: uma emoção, disposição de ânimo, virtude moral, hábito, traço de personalidade, crença de que você é o único responsável pelos resultados da sua vida. E que resultados seriam esses? Todos os positivos e negativos.

Talvez você possa achar que esse tema é condenador, que atribui culpa, como se colocasse o dedo na cara e a julgasse. Não. O conceito de autorresponsabilidade é libertador. Uma vez que você entende que os resultados que obteve na vida são de sua responsabilidade seja por omissão ou ação, você também entende que pode direcionar a sua vida para onde quiser e ter o resultado que quiser também. É como se a sua vida estivesse emprestada para outra pessoa e antes você apenas recebia as consequências e agora você a tem de volta e faz dela o que quiser, é a autora da própria história. O conceito de autorresponsabilidade passa antes pelo autoconhecimento.

Para ser uma empreendedora de sucesso antes se faz necessário saber quais são seus pontos fortes e quais são os fracos. Assumir seus erros e muitas vezes sua inexperiência. E está tudo bem fazer isso, pois essa consciência e posição de humildade irá lhe levar a outros patamares e ao ciclo de perícia; no qual você vai errar, acertar, errar novamente mas cada vez menos pois está aprendendo com os próprios erros, com o mercado, com os colaboradores, parceiros, fornecedores, sociedade. Sinceramente que tipo de empreendedora tem sido você? Está sempre culpando alguém ou circunstâncias pelas suas dores ou resultados? Comporta-se como coitada ou impotente nas circunstâncias? Esconde, camufla ou justifica seus erros? Julga as pessoas e dá um veredito final sobre elas? Tenta compulsivamente convencer os outros dos erros ou de suas verdades?

O conceito de autorresponsabilidade não é restrito apenas à sua vida profissional, e sim de forma sistêmica em todas as áreas da sua vida, de forma que seja por ação ou omissão os resultados que obtiver terão impacto em outras áreas. Talvez na sua relação conjugal, na sua saúde, relacionamento com os filhos, espiritualmente, financeiro e emocional; dado a isso a importância de estar atenta a você, seus sentimentos, comportamentos e decisões.

Em tempos de crise tire o “S” e faça a diferença! Criar talvez seja usar os recursos que tem para fazer mais e melhor. Tirar o zoom do problema e inovar, enxergar grandes oportunidades, focar na solução enquanto outros estão buscando culpados e perdendo tempo no caminho do sucesso. Manter o foco e a disciplina sabendo exatamente onde quer chegar, assim como suas limitações sejam elas financeiras ou pessoais, pode lhe levar muito mais além. Existe um princípio chamado 10/90 que significa que 10% é apenas o que lhe acontece e 90% é a forma que você vai reagir e viver perante o ocorrido e se tudo são escolhas, escolha vencer e pagar o preço mas para isso é preciso viver as seis leis da autorresponsabilidade, que são:

1. Se for para criticar as pessoas, cale-se.

O que eu não quero para mim eu não quero para outros. Então, se não for para edificar, cale-se.

2. Se for para reclamar das circunstâncias, dê sugestão.

Muitas pessoas adoram reclamar do país, do governo, mas quantas escrevem uma sugestão de lei e apresenta. Não muito longe quem se reúne com outras pessoas para propor sugestões para melhoria na escola, no hospital, para seu bairro, para seu prédio e dentro do próprio lar, na própria família?

3. Se for para achar culpados, busque a solução.

Não perca tempo se você sabe o que quer, foque na solução e não no problema.

4. Se for para se fazer de vítima, faça-se de vencedor.

Ninguém aguenta mimimi. Não perca tempo reclamando, se lamentando, chorando, olhe para seu objetivo e vá em busca dele mesmo diante das adversidades.

5. Se for para justificar seus erros, aprenda com eles.

Assumir sua vulnerabilidade é sinal de humildade e nobreza.

6. Se for para julgar alguém, julgue a atitude dessa pessoa.

* Daniela Muniz é Master Coach especialista em alta performance feminina, treinadora e palestrante. Ministrante oficial das Palestras e treinamentos ‘O poder da Ação’ e o ‘Poder da Autorresponsabilidade’ best-sellers mais vendidos no Brasil na categoria de Negócios.