* Por Adelmo Nunes

Poder contar com o aporte financeiro de terceiros para fomentar o negócio e fazer a startup crescer é o sonho de todo empreendedor no early stage, seja para trazer escala às vendas, ganhar mercado, engordar o faturamento ou tornar-se rentável.

No Brasil, o capital de risco ainda é muito inferior ao de economias mais maduras, como a dos Estados Unidos e a do Reino Unido. Enquanto lá fora o percentual chega a 2%, aqui não alcança um décimo disso. Ainda assim, de acordo com a Lavca (Associação de Venture Capital da América Latina), em 2018, o valor investido em startups latino-americanas praticamente dobrou, se comparado a 2017.

Só o Brasil respondeu por quase 70% desse acréscimo, com US$ 1,3 bilhão em 2018 (51% maior que o ano anterior). Esse potencial precisa ser explorado e o primeiro entendimento para isso é o de que o venture capital não é um adventure capital. Alguém disposto a investir em startup vai querer certificar-se de que está colocando dinheiro em algo com boas chances de lucratividade.

Não conhecer o mercado, os concorrentes, ter o projeto ainda embrionário – no papel –, dedicar-se a outras atividades sem estar focado no desenvolvimento da startup, repelem o venture capital. Passar a ideia de que dispõe de recursos, mas prefere que outros assumam o risco também não é um atrativo para o investidor.

Para vender o negócio e chamar a atenção em meio a um ecossistema que já conta com mais de 12 mil startups, é preciso uma atitude positiva, ser hands on, reunir colaboradores que possam ajudar com soluções, adotar boas práticas. Isso é suficiente? Embora as pessoas comprem de pessoas, para fazer dinheiro não basta ter um propósito bem definido e acreditar nele. O capital de risco busca oportunidades em negócios promissores e isso significa dizer que é preciso apresentar algo concreto: um plano de negócio, um protótipo, um estudo de mercado, um produto minimamente viável. Os investidores descartam ideias se elas não forem executáveis. Tê-las bem estruturadas, formatadas e em aplicação são os atributos para o match.

Remando contra a cultura dominante e tentando mudá-la, o empreendedor deve cercar-se de informações financeiras, fiscais e trabalhistas. Ter um contador ou advogado de confiança é um elemento cada vez mais notado pelos empreendedores. Se antes este cuidado vinha apenas depois de um tempo de iniciado o empreendimento, os novos players estão combinando sua ousadia com leis, contabilidade e finanças. As chances de sobrevivência serão muito maiores.


Adelmo Nunes, contabilista, é diretor da Planned Soluções Empresariais.