Quando o serviço de streaming da Apple estreou na sexta-feira, veio com US$ 2 bilhões de dólares em programação original – um recurso amplamente considerado como o mais poderoso ímã para novos assinantes.

Mas para o Apple TV + e seus rivais, cujas assinaturas mensais são mais baratas que os pacotes de TV a cabo tradicionais, manter os espectadores é um enorme desafio.

Provedores de streaming como Netflix, Apple TV +, Disney + e HBO Max, da AT&T, oferecem flexibilidade: inscreva-se para assistir a uma nova série e cancele quando quiser.

Além de gastar milhões de dólares em conteúdo, as empresas de mídia estão usando programação, promoções e outras estratégias para evitar cancelamentos e reter assinantes que são caros para adquirir e fáceis de perder.

“Cancelar um serviço antes significava encontrar o número de telefone do seu operador de TV a cabo, navegar um menu automatizado e passar muito tempo em espera,” afirmou Rich Greenfield, analista da LightShed Partners. “Agora vivemos em um mundo onde, com apenas alguns cliques no celular, todo o atrito causado pelo cancelamento some.”

A Disney é a única provedora de streaming que usou uma promoção de vários anos para segurar assinantes. Em agosto, a empresa ofereceu aos membros novos e atuais de seu fã-clube D23 uma taxa anual de US$47 por uma assinatura de três anos com o Disney +, um desconto de 33% do preço padrão.

A Disney tem a vantagem de criar conteúdo para crianças, que assistem os mesmos filmes e programas de TV repetidamente. A Netflix, o HBO Max e o Apple TV + investiram em conteúdo infantil para impedir o cancelamento dos assinantes enquanto aguardam o próximo programa original voltado para adultos.

Em maio, a Netflix fez uma rara aquisição, da marca de mídia infantil StoryBots, por quantia não revelada. Em julho, anunciou sete novas séries voltadas para crianças em idade pré-escolar.

A programação do Apple TV + inclui duas séries do Sesame Workshop, a organização sem fins lucrativos que produz “Vila Sésamo”. A HBO Max está transmitindo novos episódios de “Vila Sésamo” e a maior parte da biblioteca do programa.

O HBO Max e a Netflix também estão investindo pesadamente em amplas faixas de conteúdo. A Netflix gastou cerca de US$15 bilhões em conteúdo em 2019, e a AT&T gastará US$4 bilhões nos próximos três anos em conteúdo para o HBO Max.

Fonte: Agência Reuters