Todos os mercados estão passando por uma transformação e a indústria da alimentação não está fora dessa. Mas como um restaurante fundado nos anos 50 consegue inovar? Para entender melhor, fomos conversar com Antonio Detsi, Diretor Geral do Bob’s, que nos contou detalhes sobre as transformações da marca.

O Bob’s foi fundado em 1952, pelo americano Robert Falkenburg, campeão de tênis no torneio de Wimbledon em 1948 e 1949. O conceito de fast-food ainda nem existia no país quando o jovem tenista vislumbrou a possibilidade de fazer sucesso no Rio de Janeiro.

Em 1951, Bob, como era chamado pelos amigos, abriu a Falkenburg Sorvetes Ltda., que vendia exclusivamente sorvete de baunilha, com máquinas e receitas trazidas dos Estados Unidos.

Incentivado pelos amigos, Bob abriu a primeira loja Bob’s, na Rua Domingos Ferreira, em Copacabana, lançando no Brasil o hot-dog, o hambúrguer, o milkshake e o sundae. De lá pra cá, a companhia continua tentando atender o paladar dos brasileiros e melhorar sempre a experiência dos clientes.

Inovações

Em 2014, o Bob’s implementou o uso de terminais de autoatendimento no food service brasileiro. O modelo, criado e desenvolvido pelo Bob’s, foi o primeiro equipamento no setor de alimentação rápida a permitir a personalização dos pedidos e ingredientes. Segundo Antonio, a proposta foi renovar a oferta, tornando-a ainda mais atrativa para os consumidores.

Nessa época eles também passaram a adotar equipamentos de refil de bebidas e molhos e todos os pedidos passaram a ser produzidos na hora, de acordo com a receita personalizada escolhida por cada cliente. Também foram introduzidos novos insumos na rede como hambúrgueres com receita exclusiva, queijo natural e pães assados na hora.

“O consumidor quer cada vez mais liberdade para fazer suas escolhas com o mínimo de atrito possível e busca serviços cada vez mais flexíveis e diferenciados. Aumentar o grau de conveniência é fundamental e o uso de tecnologia para aumentar essa conveniência e a liberdade dos clientes é prioritário para nós”, destaca o Diretor.

No final de 2016, eles lançaram o primeiro e único aplicativo da categoria a funcionar como um autoatendimento de bolso e realizar a emissão e resgate dos cupons de descontos do programa Bob’s Fã, com pagamento via o próprio app. O aplicativo conta com a geolocalização das lojas mais próximas e um sistema inteligente e personalizado, que armazena as compras.

Todos os consumidores que utilizam o aplicativo passam automaticamente a fazer parte do programa Bob’s Fã e podem emitir cupons de desconto para resgate em qualquer loja, e não somente nas que estão cadastradas no aplicativo. Para isso, basta emitir o cupom e resgatar o desconto na loja de sua preferência.

O Bob’s Fã é um programa de relacionamento exclusivo da marca, que já conta com 6,5 milhões de usuários ativos. Atualmente, cerca de 12% das vendas da rede são nas plataformas digitais como delivery online, Bob’s Fã, aplicativo e autoatendimento. Nas lojas que oferecem o serviço de delivery, 19% das vendas são nesse formato.

“Todas as nossas novas lojas também trazem um pacote tecnológico que automatiza processos, simplifica pedidos e permite a produção imediata, ágil e personalizada. Nossas cozinhas são integradas aos caixas, terminais de autoatendimento e aplicativo de pedidos in-loco ou delivery. Quando o produto está pronto, o cliente recebe um aviso na tela do seu celular – no caso de pedidos via aplicativo – ou em um terminal que chama sua senha, para pedidos feitos no caixa ou no autoatendimento. No delivery, ele pode acompanhar todas as fases, da confirmação do pedido à entrega, passando por sua produção”, completa.

Hambúrguer sem carne

O mercado de carne à base de plantas têm ganhado força ao redor do mundo e no Brasil não poderia ser diferente. De olho nesse movimento, a marca lançou o Tentador Zero Beef, um hambúrguer 100% vegetal, feito em parceria com a foodtech Fazenda Futuro.

“Realizamos um intenso trabalho de pesquisa ao longo de mais de 12 meses, durante o qual foram testadas diversas receitas e formas de preparo até chegarmos à consistência e sabores ideais em uma receita exclusiva e sob medida para o Bob’s. O hambúrguer é composto por um blend proteico de soja, ervilha e grão de bico, além de cebola e beterraba”, comenta Antonio.

Nós testamos o hambúrguer do Bob’s

Não sou vegetariana e nem vegana, e afirmo que é possível comer o lanche sem perceber que ele realmente não é feito de carne. O lanche veio recheado com muita maionese, o que pode ter contribuído para o sabor. Janaína Dantas, jornalista do Startupi, também experimentou o sanduíche e destaca que o que a surpreendeu foi a leveza.

“O hambúrguer realmente lembra o hambúrguer tradicional de carne bovina, inclusive de uma forma mais leve. O que me chamou a atenção foi o excesso de maionese servido no lanche – não sei se foi proposital – e das características prometidas, senti falta de uma suculência maior”, diz.

O sanduíche está disponível em 151 lojas do Rio de Janeiro e São Paulo. O plano é expandir para os demais estados de forma gradual, com previsão de cobrir todas as unidades do Bob’s no País até o final do ano. O preço sugerido para o trio com Tentador Zero Beef, batata média e refil de refrigerante é de R$ 28.

“A aceitação é muito boa. O Tentador Zero Beef não atinge somente a pessoa que não come proteína animal, mas também aquele que quer diminuir esse tipo de ingestão sem abrir mão de um produto saboroso”, finaliza o diretor.