Sinqia, empresa de tecnologia para o setor financeiro, realizou uma oferta subsequente de ações, em que captou R$ 362 milhões. O aporte marca o início de um novo ciclo de crescimento da empresa e a continuidade da estratégia de aquisições.

Além do bem-sucedido follow-on, a Sinqia anuncia também a chegada de dois novos executivos para compor seu corpo diretivo: Thiago Saldanha e Leo Monte juntam-se ao time como CTO e CMO, respectivamente. As contratações visam impulsionar ainda mais a inovação e os resultados da companhia, que viverá uma nova etapa de desenvolvimento acelerado orgânico e inorgânico.

“Depois do sucesso exponencial conquistado nos últimos anos, a Sinqia está construindo os pilares para atingir uma nova fase de crescimento, ainda mais acelerada”, explica Luciano Camargo, vice-presidente e cofundador da Sinqia. “Saldanha e Leo são líderes natos, que conseguem combinar uma visão disruptiva e empreendedora de negócios. A expertise de ambos fará com que a Sinqia se posicione ainda mais como a parceira ideal para a era dos bancos digitais”, acrescenta Camargo.

Com cerca de 20 anos de experiência no mercado de tecnologia, Thiago Saldanha assumirá o desenvolvimento das plataformas de software, com o objetivo de implementar novas soluções que proporcionem o aumento de produtividade e da qualidade dos produtos. Conduzirá também um processo de transformação digital e inovação na operação. “Pretendo trazer um mindset de startup para a Sinqia, com softwares que proporcionem serviços personalizados e ainda mais ágeis”, comenta o executivo.

Já Leo Monte, que acabou de retornar do Vale do Silício e carrega na bagagem passagem por grandes empresas e startups, estará à frente do Marketing e Inovação. “A Sinqia é uma empresa que acompanha as mudanças e que se desafia constantemente a olhar os negócios e o mercado com uma visão diferenciada, a fim de entregar os melhores produtos. Estamos preparados para estar sempre um passo à frente, apoiando o mercado financeiro com tecnologia e inovação para as grandes empresas e também para fintechs”, comenta Léo.