* Por Samir Iásbeck

No segmento de startup, o termo bootstrapping é geralmente utilizado quando você inicia um negócio com recursos próprios, sem investimentos externos. Como empreendedor, esse é um dos caminhos que mais gosto hoje em dia. Porém, ainda são poucas empresas que iniciaram sua trajetória dessa forma.

Segundo dados da Associação Brasileira de Startups (ABStartups) publicado em julho de 2018, apenas 0,81% das mais de mil startups entrevistadas começaram desse jeito. Mas então, como começar o seu negócio com capital próprio?

Primeiramente, tenha uma boa ideia. Todo mundo fala que a ideia na verdade tem o valor de 0,0000001%, ou seja, vale muito pouco. Na minha opinião, a ideia pode até não valer muito percentualmente, mas logicamente ela sempre será o primeiro passo, ou seja, se você tem uma, coloque-a no papel e tente vendê-la…mas não para um investidor!

Muita gente acha que o segredo do sucesso é conseguir investimento, mas o segredo do sucesso, de verdade, é conseguir clientes e fazer o negócio bombar. E a melhor forma de saber se a sua solução tem valor de mercado é testando na prática.

Por isso, invista em produzir um protótipo do produto, ofereça para os públicos de interesse e produza-os sob encomenda. Dessa maneira, é possível oferecer de maneira customizada e sem ficar com grandes estoques, além de ficar mais fácil estabelecer um fluxo. É como um kick started, quando se coloca a ideia em um produto, as pessoas vão comprar e você terá um prazo para executar.

Para fazer acontecer, é fundamental ter o alvo certo. Porém, não tem como definir qual o melhor caminho para cada startup. Isso porque, primeiramente ele está falando de um produto inovador, um conceito novo, uma forma diferente de fazer um processo, produto ou serviço, e falar que vai ter uma receita de bolo para saber se é possível ou não, começar sem investimento, é complicado. E, de fato, não há uma única maneira para nada.

O meu conselho para os empreendedores que pretendem seguir sem investimento externo é que participem de muitos eventos, conversem com pessoas com quem estabeleceu uma relação de confiança e que possam dar um feedback produtivo. Neste momento, criar conexões com pessoas do ecossistema é importantíssimo para que elas possam validar a sua ideia.

Em suma, eu acredito que não existe negócio ruim ou bom, existe a execução boa e a ruim. A minha principal dica é: toque a sua empresa, mas preste bastante atenção na sua jornada, porque ela irá te ensinar muito. No final, o próprio mercado vai te sinalizar se você está certo ou errado. Ouça o mercado e foque em vender e gerar receita! Boa sorte!

* Samir Iásbeck é CEO e Fundador do Qranio, plataforma mobile de aprendizagem que usa a gamificação para estimular os usuários a se envolverem com conteúdos educacionais em todos os momentos.