Acontece esta semana o Cisco Live! LATAM, na cidade de Cancún. O evento da companhia reúne mais de 6 mil participantes – entre clientes e parceiros, para debater tendências e apresentar soluções tecnológicas da empresa, e um dos temas principais da conferência é cibersegurança.

Em apresentação a jornalistas de toda a América Latina, Mario de la Cruz – diretor de assuntos públicos da Cisco LATAM; e Gilberto Vicente – diretor de vendas da Cisco México, apresentaram a criação dos Conselhos de Inovação em Cibersegurança, um esforço conjunto entre a companhia e a Organização dos Estados Americanos (OEA). O objetivo da iniciativa é democratizar e promover a adoção da segurança cibernética na América Latina.

“Firmamos o acordo com quatro países: Brasil, Chile, Colômbia e México, para um trabalho de capacitação e desenvolvimento de soluções de cibersegurança, através do Cybersecurity Innovation Councils. Queremos buscar soluções inovadoras para problemas de segurança, com estratégias e políticas, unindo as esferas pública e privada”, explica Mario.

De acordo com os executivos, as reuniões dos conselhos começarão a partir do primeiro trimestre de 2020, e contarão com representantes de academia, autoridades, governos e fabricantes de soluções, para “chegarmos a um resultado comum para resolvermos esse problema da melhor forma”, de acordo com Gilberto.

O conselho

Para ele, as reuniões terão um formato que favoreça a criatividade e inovação de todas as partes envolvidas. “Não queremos ser marqueteiros, queremos cocriar e encontrar soluções. Esses fóruns servem para compartilharmos. As organizações não estão interessadas em fóruns para falar mais de ameaças que oportunidades. Temos o compromisso tácito para democratizar o tema, desde a pequena empresa até a esfera federal”, explica. “Estamos tão expostos que as formas tradicionais que conhecemos hoje de cibersegurança não serão mais eficientes em algum momento.”

“À medida que os países latino-americanos são transformados digitalmente, a cibersegurança será a base para alcançar suas prioridades nacionais. Nosso trabalho com a OEA ajudará a preparar o cenário para que as comunidades latino-americanas, seus governos e empresas aproveitem ao máximo a economia digital”, diz Michael Timmeny, vice-presidente sênior e diretor de estratégia da Cisco.

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, afirmou que “esses conselhos criam espaços de colaboração entre líderes de tecnologia, especialistas dos setores público e privado, universidades e organizações não-governamentais para promover a inovação, conscientizar e expandir as melhores práticas. Tudo isso, para ajudar a resolver os riscos e desafios enfrentados por nossas sociedades e promover um ambiente digital aberto, seguro e confiável em toda a nossa região.”