Aumentar o consumo de alimentos saudáveis, especialmente aqueles com foco nos ingredientes naturais, é uma tendência global. No Brasil, redes de fast foods como Burger King e Bob’s, já acrescentaram opções saudáveis e hambúrgueres à base de plantas em seus cardápios para acompanhar essa revolução.

Pensando nisso, a GRSA|Compass, companhia especializada em serviços de alimentação, trouxe ao mercado brasileiro a marca Veg Revolution – uma plataforma com cardápios diferenciados à base de plantas, minuciosamente pensado para suprir as necessidades nutricionais. O programa é uma iniciativa da Compass, maior grupo de serviços de alimentação e suporte no mundo, que atende empresas na Europa, EUA e outros mercados.

Plant-based é comida de origem vegetal, preparada do jeito mais natural possível, sem conservantes, corantes e aromatizantes. Mais do que isso, é comida saudável pra quem come e também para a natureza, sendo assim, os alimentos industrializados ultraprocessados, são retirados do cardápio e nessa cena, os vegetais são os protagonistas.

Segundo a Oxford School, se o mundo inteiro adotasse uma dieta plant-based até 2050, nós reduziríamos 8 milhões de mortes por ano, devido à redução de infartos, diabetes, doenças cardíacas e alguns tipos de câncer.

Fonte: Baleaf

“Percebemos o interesse das empresas em adotar e incentivar novos hábitos alimentares no ambiente corporativo e sabemos da necessidade mundial de mudanças ligadas ao tema. Para atender este nicho, decidimos investir fortemente no Veg Revolution e temos, ainda, investido em parcerias para tornar nossa proposta ainda mais consistente”, conta Jaqueline Soares, gerente de Inovação e Marketing da GRSA|Compass.

A companhia está presente em mais de 50 países e no Brasil, conta com mais de 30 mil colaboradores atendendo empresas, escolas, hospitais, terminais de passageiros, espaços de eventos e entretenimento, além de plataformas de petróleo e locais remotos. São mais de 1 milhão de refeições todos os dias e a Veg Revolution tem como missão ir além do cardápio, e promover uma vida mais saudável por meio do aumento do consumo de vegetais.

Recentemente, o movimento anunciou uma parceria com a Fazenda Futuro, foodtech 100% brasileira dedicada à produção de carne à base de plantas, sem nada de origem animal, mas que promete o mesmo gosto, textura e suculência da carne bovina.

Na última semana, a startup lançou a versão 2.0 do Futuro Burger, que usa em sua base de ingredientes proteína de ervilha, proteína isolada de soja e de grão de bico, além de beterraba para imitar a cor e o sangue da carne, tudo sem glúten e sem transgênicos. Os clientes GRSA|Compass terão o Futuro Burger nos cardápios. Além disso, o Zero Beef do Bob’s, hambúrguer 100% vegetal também é oferecido em lojas operadas pela GRSA|Compass na Barra Funda e no Terminal Rodoviário Tietê.

Foto: Futuro Burger

“Temos construído importantes parcerias e com a Veg Revolution não poderia ser diferente. Trabalhamos para que cada vez mais o nosso produto se torne democrático e mais acessível. Com essa parceria damos mais um passo nessa direção. A carne a base de plantas deixou de ser só uma tendência e passou a ser uma realidade positivamente sem volta. Cada vez mais as pessoas estão em busca de alternativas alimentares mais sustentáveis”, afirma Marcos Leta, fundador da Fazenda Futuro.

Outro exemplo de parceria alinhada à inovação é a com a Baleaf, startup de comida congelada feita apenas com alimentos e ingredientes plant-based. A startup fornece produtos diferenciados às unidades que incluíram a dieta no dia a dia das refeições de seus colaboradores.

No Brasil, 14% da população se declara vegetariana, segundo pesquisa do Ibope Inteligência conduzida em abril de 2018.

Nas regiões metropolitanas de São Paulo, Curitiba, Recife e Rio de Janeiro este percentual sobe para 16%. A estatística representa um crescimento de 75% em relação a 2012, quando a mesma pesquisa indicou que a proporção da população brasileira nas regiões metropolitanas que se declarava vegetariana era de 8%. Hoje, isto representa quase 30 milhões de brasileiros que se declaram adeptos a esta opção alimentar.

A estimativa é de que o mercado de “carnes” veganas valha atualmente US$8,5 bilhões e, de acordo com a Euromonitor, deve bater em US$22,9 bilhões em 2023.

Portanto, a plataforma está preparada para fazer parte dessa revolução!