* Por Vinícius Bicalho

É muito comum vermos empresários brasileiros cometendo erros – que poderiam ter sido evitados! – durante a tentativa de estabelecerem a sua primeira loja ou filial fora do país.

Para que a internacionalização aconteça de forma tranquila, é necessário que os dirigentes das empresas tenham, além de um minucioso planejamento estratégico e imigratório, uma boa reserva financeira para que possam corrigir a rota em caso de imprevistos. Normalmente entre 30% e 40% do orçamento inicial.

Como advogado especializado em negócios internacionais no Brasil e nos Estados Unidos, uma das primeiras perguntas que as pessoas me fazem quando desejam inserir a sua marca em mercado internacional é em relação à valorização da moeda local. O câmbio é algo imprevisível e até por isso é importante que os empreendedores organizem as finanças até a maturação do negócio. Quando eles passam a faturar em dólar o câmbio joga a favor, mas pequenos fenômenos às vezes ganham uma repercussão enorme no mercado e atrapalham os planos.

Decidir aonde a empresa será sediada e fazer uma pesquisa de mercado para conhecer a área de atuação e suas possibilidades faz parte do jogo. Mais que isso, ter o auxílio de profissionais ou de um interlocutor do estabelecimento no país onde a companhia será implantada é indispensável para se obter determinados parâmetros básicos e evitar problemas no meio do caminho. Nos Estados Unidos, por exemplo, cumprir o contrato comercial integralmente é lei! E uma falta de cautela causa prejuízos em proporções gigantescas para o empreendedor.

O que eu deixo de dica para quem deseja se internacionalizar é que o mercado americano é promissor e muito amplo economicamente falando, mas exige uma organização financeira cautelosa. Parece um conselho básico, mas parceiros internacionais não têm tolerância com falta de credibilidade ou informações desencontradas: frustrar os clientes é minar o sucesso da parceria comercial e ter uma chance de reconquistar a confiança no mercado internacional é muito difícil.


Vinicius Bicalho é mestre em Direito no Brasil e EUA e especializado em Negócios Internacionais, atuando há 17 anos como sócio na Bicalho Consultoria Legal.