O prefeito da cidade de Nova York e possível candidato democrata à presidência em 2020, Bill de Blasio, aprovou um “imposto sobre robôs” e a fundação de uma nova agência governamental para supervisionar automatização. De Blasio apresentou seu plano no final da semana passada em um artigo de opinião para a Wired , descrevendo-o como uma alternativa à renda básica universal (UBI) apoiada por seu rival Andrew Yang.

O plano de Blasio criaria uma nova agência chamada Agência Federal de Automação e Proteção ao Trabalhador (FAWPA), que governaria como as empresas poderiam automatizar trabalhos. Isso incluiria a remoção de incentivos fiscais para automação e a adição de um “processo de permissão” para qualquer empresa que queira “aumentar a automação que substituiria os trabalhadores”. As empresas precisariam oferecer pacotes de indenização ou novos empregos que pagassem tanto quanto os antigos.

O “imposto sobre robôs”, entretanto, se aplicaria a grandes empresas que eliminam empregos por meio da automação sem oferecer aos funcionários novos empregos. Essas empresas teriam que pagar cinco anos de impostos sobre os salários em um fundo especial.

Esse fundo seria usado para criar uma “nova geração de projetos de infraestrutura com alta infraestrutura de emprego e novos postos de trabalho em áreas como assistência médica e energia verde”. Os trabalhadores deslocados teriam novos empregos garantidos nesses campos “com salários comparáveis”.

De Blasio diz que esse plano resolveria problemas com o sistema UBI “lamentavelmente inadequado”. A versão de Yang garantiria aos americanos US$ 12 mil por ano. Várias pessoas criticaram o UBI por várias razões, incluindo o medo de que ele substitua os programas sociais existentes ou não consiga resolver problemas maiores de empregabilidade. De Blasio diz que o UBI “negligencia o valor intrínseco de um emprego, acreditando que o suporte financeiro à vida de um cheque mensal pode substituir um emprego significativo”. Ele assegura aos eleitores que seu “plano não aceitaria um futuro pós-trabalho. Em vez disso, apressaria um futuro cheio de trabalho. ”

Fonte: The Verge