* Por Adam Patterson

O Reino Unido possui um ecossistema de startup robusto, amplo e em alto crescimento, bem como umas das economias mais inovadoras e abertas. A rica história de inovação e invenção do Reino Unido forneceu ao mundo ideias e produtos que fazem parte de nossa vida moderna diária, incluindo os motores de telefone, fotografia, internet e jatos.

Londres é um dos maiores centros de tecnologia do mundo, e o principal centro de startups da Europa, é conhecido por sua comunidade vibrante, uma indústria de venture capital bastante avançada e grande concentração de talentos internacionais. No ano passado, Londres foi nomeada a principal cidade do mundo por investimento estrangeiro direto de empresas de tecnologia no exterior (London & Partners).

Segundo a KPMG, o setor de tecnologia do Reino Unido é apreciado como o mercado mais promissor para avanços tecnológicos na Europa. Mais de 1,19 bilhão de libras (1,56 bilhão de dólares) foram investidos nos três primeiros meses de 2019, aproximadamente o mesmo nível observado nos três primeiros meses do ano passado. Isso foi levantado em 161 negócios. Espera-se que os pontos fortes do Reino Unido em IA, biotecnologia e fintech continuem a impulsionar negócios nos centros tradicionais de Londres, Oxford e Cambridge, além de oportunidades mais amplas em todo o país.

Dados do Financial Times mostram que quase 5 bilhões de dólares foram investidos no primeiro semestre do ano, um aumento de 20% em relação a 2018.

Segundo o grupo industrial Tech Nation, o Reino Unido já criou mais unicórnios, empresas de tecnologia avaliadas em mais de US$ 1 bilhão, do que qualquer outro país, além dos EUA e China.

Só em 2018, Londres viu nascer 1 unicórnio por mês, o que a torna a capital europeia das empresas de US$ 1 bilhão. Além disso, 37% de todos os unicórnios europeus estão no Reino Unido. São tantas as oportunidades e interesses de investimentos, que a capital londrina é o lugar na Europa para se buscar investimentos (Brazil Tech Roadshow – DIT).

O Reino Unido é cada vez mais visto como um launch pad para startups e empresas de tecnologia na América Latina se internacionalizarem e impulsionar os negócios das que querem se tornar globais. Mais de 100 empresas brasileiras já se estabeleceram no Reino Unido, incluindo grandes empresas de tecnologia como a Ebanx e Gympass.

De fato, para fomentar cada vez mais os laços comerciais, neste ano o Governo Britânico está promovendo o Brazil Tech Roadshow em várias cidades no Brasil. Depois do grande sucesso da edição Belo Horizonte em agosto, primeira cidade a receber o evento, os especialistas de investimento e tecnologia do Ministério do Comércio Internacional do Reino Unido (DIT-UK), desembarcam no Paraná. O foco será em como dar o primeiro passo para a internacionalização, parcerias e investimentos internacionais para as empresas brasileiras no Reino Unido.

O Paraná é o segundo estado que mais investe em ciência e tecnologia e quer ser uma das líderes em tecnologia na América Latina até 2035. Curitiba é considerada atualmente a 4º melhor cidade do Brasil para empreender. Atualmente o Paraná é o segundo que mais formou profissionais de TI em 2018 e apresenta um cenário de empresas de tecnologia com grande potencial para expandiram seus negócios para o mercado britânico.

Inscrições para a edição Paraná do Brazil Tech Roadshow já estão abertas no link.


Adam Patterson é economista britânico, graduado em Ciências Políticas e Estudos Parlamentares pela Universidade de Leeds e pós-graduado em Economia e investimentos pelas universidades de Londres e  o Instituto Real de Investimentos do Reino Unido. Trabalhou na equipe de valuation do HSBC, escritórios de investimentos e cofundou o primeiro portal online de valuation de startups & PMEs no Brasil. Adam tem foco na modelagem financeira e valuation de startups e é mentor em várias aceleradores. Atualmente trabalha com M&A e financial advisory para Redirection Corporate Development que faz parte da Clairfield International.