Lidar com a morte é um assunto sensível, por mais que tenhamos certeza de será o destino final de todos, sem exceções. Quem já assistiu ao filme “Ps.: I Love You” (ou no português “Ps.: Eu te amo), da autora Cecelia Ahern, com certeza se comoveu com a possibilidade de receber mensagens de um ente querido após a sua morte. E agora é possível.

Após o falecimento de seu pai, Mario Cassio Mauricio decidiu fundar a startup Meu Último Desejo, para facilitar a despedida e a vida de quem fica. A ideia surgiu quando quatro anos depois, Mario ouviu a voz do seu pai na antiga secretária eletrônica e a ideia é bem simples: Qualquer pessoa pode assinar a Meu Último Desejo e lá deixar registrado como gostaria que fosse seu enterro, qual música deveria tocar ou até mensagens para serem entregues no futuro, como no dia da tão esperada formatura de seu neto, por exemplo.

“O tabu da morte é que ela é um evento certo, mas ninguém quer saber quando vai acontecer. O impacto da plataforma é que quando grava uma mensagem, se pensa no que você ainda quer fazer em vida, reflete sua condição atual, seus objetivos, sua trajetória, as pessoas que ama. O impacto, inicial, é na forma como o assinante tem conduzido sua vida”, explica o CEO.

A mensalidade tem o valor promocional de R$ 4,99 e há a opção família, que permite a participação de até três pessoas e custa R$ 9,99 ao mês. Para que as mensagens sejam mantidas e enviadas após sua morte, é preciso que a mensalidade seja paga até o dia final chegar. Além disso, dois tutores serão designados para avisar o dia do falecimento e autorizar o envio das mensagens por parte da startup.

Heranças são geralmente pontos sensíveis e que geram certa preocupação por parte de todos, a Meu Último Desejo também pode ajudar neste processo, de forma que o usuário pode deixar suas vontades bem esclarecidas no app.

Além disso, a privacidade é garantida. As mensagens, fotos ou vídeos guardados no app são criptografados, de forma que nem o app ou os tutores conhecem seu conteúdo até que seja a hora de envia-las.

Para Mario, o principal objetivo da plataforma é fazer com que, ainda em vida, as pessoas façam uma reflexão sobre sua trajetória e deem valor aos seus entes queridos, enquanto ainda há tempo. “Por ano, acontecem cerca de 53 milhões de mortes no mundo, segundo a ONU. Em média, 10 pessoas sentem muito a perda de um ente querido. Se eu conseguir mudar um pouco a realidade desses 530 milhões de pessoas que ficam, além de fazer com que o assinante reflita sobre seus propósitos – cuidar melhor de si, dos familiares, repensar sua conduta, entre outros – ainda em vida, eu vou me sentir realizado”, finaliza.