* Por Exame.com

A Nike testa uma nova tecnologia para solucionar o maior problema de seus clientes: não saber se os calçados comprados via internet realmente servem. A maior fabricante de tênis do mundo está lançando o Nike Fit, uma nova ferramenta de seu aplicativo que permite aos clientes digitalizarem os pés em casa e identificarem o tamanho adequado em vários modelos.

A empresa diz que 60% das pessoas usam calçados cujo tamanho é incorreto, e a preocupação com o ajuste tem um impacto significativo na confiança do consumidor.

“Isso é algo que a Nike, como todas as outras empresas de calçados do mundo, vem tentando melhorar desde que os sapatos foram criados”, disse Michael Martin, diretor global de produtos digitais da empresa com sede em Beaverton, no estado do Oregon. “Agora resolvemos isso.”

Com o Nike Fit, os clientes escaneiam os pés usando a câmera do smartphone. Com precisão de 2 milímetros, o aplicativo examina cada pé, não apenas o comprimento e a largura, o que ajuda a Nike a sugerir o melhor ajuste para cada modelo. A Nike também vai usar esteiras de digitalização nas lojas para que os clientes possam medir seus pés.

O aplicativo poderia resolver um problema financeiro para a Nike, que recebe mais de 500 mil reclamações por ano relacionadas aos tamanhos dos sapatos. Em todo o setor, segundo a empresa, 27% dos calçados comprados on-line são devolvidos por esse motivo. Além disso, pessoas que usam um modelo do tamanho errado da Nike podem decidir comprar outra marca.

A tecnologia também se encaixa nas duas principais iniciativas da Nike: conseguir que mais pessoas se inscrevam em seus programas de fidelidade e, assim, coletar mais dados sobre seus clientes.

Os que se registram no site gastam três vezes mais no Nike.com do que os que entram como convidados, e as novas lojas próprias da Nike, aliadas com alguns com seus novos produtos, são projetadas para serem experimentados com o aplicativo para os associados. Martin disse que os primeiros testes nas lojas mostram que a tecnologia Fit tem sido “uma das alavancas mais fortes que descobrimos até agora” para fazer com que os consumidores se registrem.

Um banco de dados sobre os pés dos clientes também é uma commodity valiosa para uma empresa cujos calçados responderam por 61% da receita de US$ 36,4 bilhões no ano passado.