O Facebook anunciou a abertura das inscrições para a quarta turma de até 10 startups que serão aceleradas na Estação Hack, centro de inovação da empresa na cidade de São Paulo.

O programa realizado em parceria com a Artemisia – organização pioneira no apoio a negócios de impacto social no Brasil – tem como objetivo apoiar negócios inovadores que promovam transformações positivas na sociedade. As inscrições devem ser feitas até 3 de junho.

“Vendo o impacto positivo que as trinta startups aceleradas na Estação Hack estão gerando, ficamos animados em lançar uma nova busca por empreendedores com soluções que podem beneficiar milhares pessoas e cidades”, afirma o diretor da Estação Hack, Eduardo Lopes. As startupsaceleradas na primeira e segunda turmas já alcançaram mais de 2 milhões de pessoas com suas soluçõese captaram mais de R$ 24 milhões em investimento.

“Acreditamos no papel dos negócios de impacto social para apoiar as resoluções de hoje e do futuro. E por isso, para essa quarta turma, buscamos empreendedoras e empreendedores altamente comprometidos e com soluções inovadoras para os grandes desafios de nossa sociedade”. afirma Maure Pessanha, diretoria-executiva da Artemisia. “Os selecionados terão os mais diversos benefícios para serem impulsionados – como empreendedores e como empresas – para que possam ampliar o impacto social ou ambiental de suas soluções, contribuindo para um futuro mais inclusivo e sustentável para todos e todas”.

O principal requisito para empreendedores e empreendedoras de todo o Brasil participarem é que tenham criado startups inovadoras com potencial de melhorar a vida das pessoas e das cidades onde vivem, com soluções voltadas para:

1) Talentos e profissionais do futuro

  • Desenvolvimento de competências do século XXI
  • Ensino de programação, robótica e cultura maker
  • Empregabilidade;
  • Capacitação de empreendedores
  • Acessibilidade digital
  • Incentivo à criatividade e à cultura
  • Ética e tecnologia
  • Saúde e bem-estar.

2)Cidades inclusivas e sustentáveis

  • Govtechs que apoiem o poder público a ser mais eficiente, inteligente e acessível
  • Água, energia e meio ambiente
  • Moradias salubres, dignas e sustentáveis
  • Mobilidade urbana
  • Inclusão e acessibilidade para minorias e pessoas vulneráveis;
  • Ética e cidadania.

Também é importante ter, ao menos, protótipo ou produto em fase de testes no mercado ou ser uma empresa que tenha produto lançado e que busque rápido crescimento.